Pular para o conteúdo principal

OS 5 PIORES TIPOS DE ATENDIMENTO


Brasileiro tem fama de ser agradável, gentil, expansivo, alegre. E somos. Mas em matéria de atendimento a consumidor precisamos evoluir muito.

Por mais que  se fale e constate que o cliente é rei no dia a dia ainda temos que conviver muito com atendimento ruim, falta de respeito e consideração.

Vejamos alguns tipos comuns de empresas ou serviços que não “enxergam” o consumidor :

- Eu não preciso de você
Você entra em uma loja e parece ser avaliado se o seu perfil está no nível da famosa grife/marca.  Ou seja, antes de ser atendido você já tem vontade de sair. Muito comum em shoppings e lojas de alto poder aquisitivo. Você não vale pelo que é mas pelo que pode comprar ou conforme um conceito  chavão de estética/aparência/beleza.

- Consuma mais ou caia fora
Este tipo se aplica mais ao padrão alimentação. Você chega em um lugar, consome, não paga barato por isso, mas se vê pressionado a consumir rápido e liberar a mesa, a não ser que continue consumindo avidamente. Sozinho ou acompanhado, a meta é fazer giro rápido de clientes e aumentar a rentabilidade. É uma pressão sutil que acaba perturbando seu momento de relax, diversão ou até de discussão de negócios. Quanto mais famoso, badalado ou cheio mais isso acontece.

- Sem saída ou encurralado

Neste caso não tivemos opção de escolha. Dependemos daquele profissional ou empresa ou instituição  à nossa frente e eles sabem disso. Abusam deste poder  para impor seu ritmo e condições. Somos obrigados a esperar, a  pagar o que for e muitas vezes ainda contar com um serviço péssimo  Muito comum em aeroportos, hospitais, oficinas mecânicas e coisas do tipo.

- Você não sabe com quem está falando
E não sabe mesmo. Está preso a um telemarketing ou callcenter que pode transferir  sua chamada quinze vezes. Se você reclamar muito sua ligação pode cair ou ficar um tempão em espera com uma música ou frase de propaganda sendo repetida 300 vezes. Não importa o nome do atendente, o problema é do serviço como um todo. A impessoalidade da ligação de voz permite os maiores abusos com o consumidor, por empresas que não sabem a diferença entre um atendimento por voz e o valor de uma conversa olho no olho, franca e aberta.

Estes são os piores, vencem pelo cansaço,  por que você em geral está preso a contratos que não pode quebrar ou protestar sem ter um enorme desperdício de tempo e dinheiro.  Por curiosidade, quanto mais modernas as empresas e mais clientes, mais isso acontece: telefonia celular, tv a cabo e outras do ramo.

- Virtualmente irreal

Se o telefônico já é ruim, pior ainda os atendimentos virtuais.  Apesar da rapidez de um e-mail, as respostas demoram mais do que nunca. Muitas vezes quando chegam , são evasivas,  e não respondem ou atendem ao que você quer. É como um diálogo com uma parede.

O que fazer então?

Estes são apenas alguns exemplos de muitos desrespeitos diários, filas , desinformação, burocracia, falta de educação, abusos que fazem do consumidor um mero fantoche mesmo que passe de uma marca/serviço para outra.

Fica o alerta geral, se as empresas atendem tão mal na vida real, será que com o crescimento do acesso e uso da internet vão efetivamente mudar isso?

Casos recentes mostram que isso  ainda não aconteceu. Só se fala da importância das estratégias de comunicação estarem presentes nas redes e mídias sociais, quando o buraco parece estar em outro lugar.
Quase 200 milhões de consumidores estão atentos ao que vão ouvir deste outro lado da linha.  Isso vale para empresas, políticos, instituições, governos etc.

Nós, consumidores brasileiros,  estamos apenas aprendendo a usar mais a internet como meio mas estamos atentos, exigindo mais qualidde de atendimento,  nos tornando consumidores pró-ativos.

As empresas que entenderem isso e  mudarem sua postura terão uma grande vantagem.


@robertotostes
publicado também na PontoMkt

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…