Pular para o conteúdo principal

ESTRATEGIA BANANA NAS MÍDIAS SOCIAIS


Apesar das dezenas de sabores, texturas, cores e aromas existentes, resolveram criar algo diferente para o mercado de frutas na floresta.

Após muita pesquisa, elaboração e expectativas bolaram um nome legal para chamar a atenção: banana.

Alguns gostaram, outros não, mas assim ficou decidido. Amarela, comprida, gosto exótico, sem caroço, fácil de descascar.
Então veio a hora de definir a estratégia de lançamento no mercado mundial. Ouviram então muitas opiniões:

Mr. Facebook disse: Aqui é o melhor lugar para mostrar a cara. Todos vão gostar e contar pros outros animais.

Twitter boy afirmou: A forma mais rápida de ficar conhecida é por mim!

Dr Google deu a dica: O importante é mostrar a banana no topo das árvores. Todo mundo vai ver e ficar curioso.

A tribo do YouTube falou:  Só nós vamos saber mostrar tudo que a banana tem, ao vivo e a cores.

Os estrategista de marketing ficaram pensando e discutindo e ninguém chegou a uma conclusão. O que fazer primeiro e como, e como juntar tudo isso na mesma campanha.

Enquanto essa reunião acontecia e não acabava nunca, um chimpanzé sorrateiro entrou no depósito de bananas – que apesar de todo o sigilo – alguém esqueceu destrancado.

O bicho olhou curioso para aquele monte de pencas de banana, provou uma e se fartou com aquela nova delícia. Animado pela novidade, foi comendo uma atrás da outra. Chamou os amigos e em alguns minutos as bananas estavam soltas pela floresta correndo de mão em mão e sendo apreciada por todos os animais.

A equipe de lançamento ficou meio espantada mas acabou curtindo o sucesso da fruta. Chegaram a conclusão que a melhor estratégia mesmo é ter um bom produto e cair no gosto da macacada, que de mão em mão e galho em galho foi quem garantiu o sucesso da banana que tinham nas mãos.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…