Pular para o conteúdo principal

FIXAÇÃO EM PRODUTIVIDADE PODE ATRAPALHAR SUA CARREIRA


Algumas coisas boas que encontramos na web merecem ser compartilhadas. Este texto é uma tradução de um artigo de Chrissy Scivicque publicado no site http://www.dumblittleman.com. Dá ótimas dicas sobre multitarefas e a obsessão pela produtividade. Confiram o texto:

Confissão: Eu sou viciada em produtividade. Eu amo a mentalidade do “ fazer mais com menos”. Não existe nenhuma técnica de gerenciamento do tempo que eu não tenha testado.

Mas, como uma especialista em carreiras profissionais, eu vi muitos casos onde a paixão pela produtividade tornou-se na realidade um obstáculo ao sucesso profissional.

Que quero dizer com isso? Bem, ser produtivo é obviamente uma coisa boa. Nós todos precisamos de executar coisas.

Mas uma maior ênfase em fazer pode às vezes causar problemas de execução no mundo profissional.
Para ajudá-lo à entender o que quero dizer e descobrir se sua paixão por produtividade está machucando sua carreira, dê uma olhada nas afirmações abaixo. Alguma delas parece real à você ? Se sim, é hora de focar em fazer menos – e avaliar melhor.

Você está dividindo sua atenção.
Ser uma pessoa multitarefa parece uma grande coisa na teoria mas simplesmente não funciona realmente. Quando tentamos dividir nossa atenção entre tarefas, uma – ou até mesmo duas certamente sofrerão.

Quando somos multitarefa no trabalho, acabamos cometendo erros que invariavelmente terão que ser reparados. Isso significa sugar seu tempo e também uma representação pobre de suas aptidões. O profissional Multitarefa pode também ser extremamente rude. As pessoas se sentem desrespeitadas porque você não está dando à elas - ou ao trabalho – a devida atenção.

O que melhor reflete ser uma pessoa afiada no ambiente de trabalho é a concentração. Melhore sua capacidade de focar na tarefa em questão e então levemente transite a concentração por inteira para a próxima tarefa. Evite a tentação à multitarefa e aprenda a se engajar totalmente ao momento.

Você está com pressa.
O mantra do “vai, vai, vai” das atuais corporações mantém os profissionais num estado permanente de urgência. Com uma sempre crescente lista do que fazer, eles se sentem pressionados à constantemente apressar um trabalho para rapidamente passar à próxima tarefa. Neste processo, erros descuidados acontecem. Esta mentalidade também contribui para grande quantidade de estresse, os quais podem acabar prejudicando suas relações profissionais e até mesmo sua reputação.

Nunca sacrifique precisão e bom trabalho por velocidade. Agir rapidamente não significa produtividade. Fazer com mais pressa aumenta o potencial para problemas. Desacelere. Se pacifique. Dê mais atenção à suas ações.

Você esta focando em quantidade sobrepondo a qualidade.
Frequentemente, viciados em produtividade caem na mentalidade do “mais é melhor”. Quanto mais você faz, mais sucesso vai ter. Quanto mais você faz mais você consegue. Entretanto, não é sempre este o caso.
Produtividade não quer dizer fazer tudo. Quer dizer fazer bem as tarefas. Não é trabalhar o tempo todo; é saber usar seu tempo de trabalho de forma inteligente.

É muito melhor completar apenas poucos itens importantes da sua lista ao invés de toneladas de outros sem importância. Melhor realmente trabalhar produtivamente por um curto período de tempo do que semi-produtivamente por um longo período de tempo. No ambiente de trabalho, é sempre mais inteligente focar mais na qualidade do que na quantidade.

Você está fazendo demais.
Os viciados em produtividade como eu são perfeitos na questão morder mais do que se pode mastigar. Mas sistemas e técnicas de gerenciamento de tempo não te ajudarão se você mesmo não se ajudar. Diga “não” de vez em quando. Imponha limites. Estabeleça objetivos reais. Pare de aceitar mais e mais trabalho só porque você que provar que é produtivo. Nós entendemos.

Já vi várias ocasiões em que: Pegar muitas tarefas inevitavelmente acaba levando à ansiedade, ao estresse, perder metas e cometer erros. É simplesmente a pólvora para detonar e perpetuar o ciclo negativo da produtividade. Apague este ciclo.

Use a sua paixão por produtividade no seu ambiente de trabalho para o bem e não para o mal. Tenha o controle para que você acidentalmente não encaminhe sua carreira profissional ladeira abaixo como aconteceu com outros profissionais.

Texto original:
Site da autora Chrissy Scivicque
Tradução de Maria Teresa Moraes - @madamoraes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…