Pular para o conteúdo principal

NARCISO E OS ESPELHOS SOCIAIS


Diz a lenda que Narciso era um jovem muito belo mas que não se sentia atraído por ninguém. Um dia ao debruçar-se sobre o lago apaixonou-se pela própria imagem. Não conseguiu mais parar de olhar seu reflexo e acabou morrendo assim.

Em tempos de mídias sociais multiplicamos nossa imagem em sofisticados espelhos. Nossas fotos  povoam o facebook e instagram, nossos comentários e opiniões espalham-se pelo twitter e outros programas de mensagem instantâneas.

Nossos diários ocupam blogs, qualquer vídeo pessoal pode chegar ao youtube ou vimeo e alcançar milhares ou milhões de pessoas.

Já compartilhamos álbuns e imagens pessoais mais na web do que na vida real. Como se nos dividíssemos em múltiplas personalidades.

O que sobra da identidade original de alguém que a torna pública e cuja vida digital ultrapassa a real? Quem domina o verdadeiro alter ego? Como concorrer com avatares de centenas ou milhares de amigos e relacionamentos que não param de crescer e multiplicar?

Corremos o risco de virar celebridades de nós mesmos, cenas de uma vida irreal e da fantasia de um fã que se alimenta de sua própria imagem.

Não podemos fugir da vida digital, ela nos cerca inexoravelmente, mas precisamos também da penumbra e do silêncio, dos espaços reservados – de intimidades, dúvidas e segredos.

Digitalmente evoluímos em informação e conectividade e permanecem os desníveis sociais, políticos, econômicos. Onde fica o ponto de equilíbrio? Somos tão sociais, eficientes e interligados no cotidiano?

Espelhos podem se repetir infinitamente, uns aos outros, uns dentro dos outros. São imagens replicadas sem nada a acrescentar. Espelhos que repetem espelhos não levam a lugar nenhum.

Se não tomarmos cuidado, estes milhões de perfis e bios na web podem virar uma grande colcha de retalhos de identidades superficiais e repetitivas, voltadas para o próprio umbigo.

Nada é tão próximo quanto a vida real, o susto do inesperado, o coração que dispara, a respiração no ouvido, um frio na barriga, o corpo que sua, uma lágrima que rola, a palavra sussurrada, o toque da pele, o olho no olho que tanta coisa diz.

Precisamos dialogar e refletir sobre isso, agir de forma diferente, e não deixar Narciso submergir no lago.

Leia este e outros textos no EBook grátis - 



Escrever e Blogar - em PDF -

@robertotostes
Imagem: Ilustração sobre detalhe de quadro de Caravaggio
Veja também:
Photographs by Mathieu Grac highlights people’s obsession with social media profile pictures - dica de  @coningham

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…