Pular para o conteúdo principal

GERAÇÃO X,Y,Z E PESSOAS W


Essa tal da Geração Y ou Geração do Milênio* virou a bola de vez em artigos, estudos e comentários na internet. Nascidos a partir dos anos 80 e 90 e criados no que chamamos de ambiente digital, ela parece ser a bola de cristal capaz de prever o futuro das empresas, negócios e da própria web.

Multitarefas, eles querem tudo rápido, questionam as hierarquias tradicionais, sabem trabalhar de forma colaborativa, gostam de inovação e tem como lema trabalhar para viver e não viver para trabalhar – ao contrário da Geração X dos anos 60 e 70, que se sacrificou pela dedicação ao trabalho e tem uma relação mais complicada com computadores e aparelhos eletrônicos.

A Geração Z, dos nascidos após 2001, mantém estas características de nativos digitais vivendo mais ainda a explosão das redes sociais e o compartilhamento de ideias, gostos e produtos.

Precisamos ver o lado bom dessa questão, de que as coisas podem realmente estar mudando a partir da web, do barulho de um monte de gente conectada.

Só que agora eles são um rebanho de bilhões de pessoas que está ditando novas regras para quem antes os comandava. A lógica se inverteu e o sistema atual precisa se adaptar rapidamente para sobreviver. Para a economia de mercado isso pode ser uma ameaça muito grande, pois é grande o risco deles serem atropelados por essa massa de cabeças com opinião e vontade própria.

Mas o que eu quero destacar é que além das Gerações Y e Z, existem muitas pessoas que desde os primeiros tempos de web viram na rede um brilho especial. Não importa aí a idade, podem ter  5, 15, 20, 40, 60, 80 anos ou mais.

São pessoas curiosas, movidas pelo conhecimento e pelo interesse do próximo, do grupo. Para mim a verdadeira geração revolucionária é feita dessas pessoas W, que não são identificadas facilmente por nenhuma pesquisa de mercado, classe ou gênero.

Mesmo aquelas que ainda não têm acesso a um a computador, já trazem em si um requisito humano básico de querer trocar, dialogar, compartilhar e dividir, conhecer.

Pessoas W são intensas e emotivas. Sabem curtir a vida nas ruas, na praia, na montanha, ou na literatura, ficção, tevê e cinema, assim como da mesma forma se encantam com as possibilidades da internet.

Podem até trabalhar e ficar durante horas conectadas, mas sabem entrar e sair das telas sem confundir uma coisa com outra, abrindo e fechando portas sem perder a noção da realidade.

Pessoas W sempre existiram e continuarão presentes em todas as gerações. O futuro é virtual, mas precisamos muito deste toque pessoal.

@robertotostes
publicado também na PontoMkt

* Fonte: Wikipedia

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…