Pular para o conteúdo principal

O FUTURO DIGITAL DEPENDE DAS PALAVRAS


Elas andam maltratadas, mal ditas, limitadas no repertório e no conteúdo, repetidas e vazias, sem significado.

O que ganhamos em tecnologia e cultura digital estamos perdendo em recursos de linguagem.

Usamos tanto que esquecemos seu valor. Imagens e palavras nos cercam em toda parte, na web, nos filmes, nos anúncios, em cartazes, nas ruas. Somos uma mídia humana feita de palavras.

Precisamos delas para entender nossas emoções, para aprender e questionar. Dependemos delas para dialogar, receber e trocar.

Deveríamos tratar melhor as palavras. Avaliar bem o que andamos dizendo e fazendo com elas. Seria bom prestarmos mais atenção nas nossas formas de expressão, escrita, falada, real ou digital.

Toda palavra existe para ser pronunciada e escutada. Não temos mais o costume de escrever cartas, mas mesmo em um rápido e-mail, podemos escrever e revisar, valorizar a mensagem, o conteúdo e a forma.

Os melhores textos são sinceros e inteligentes, com objetividade e simplicidade. Podem ser curtos e intensos mesmo com pequenas frases, como os haikais.

Nós somos veículos de tanta coisa que dizemos e às vezes não temos consciência. Palavras são vida em estado puro. Podem ser mágicas, drásticas, fantásticas, ferinas ou frias. O que parece uma expressão ou um sentido já gasto pode tomar novas formas e significados com outras combinações.

Quem não valoriza um bom papo ou uma história bem contada?  Um texto deve encaixar situações e momentos de forma lúdica e criativa. Na web nunca esbarramos tanto em coisas ruins e confusas de ler, conceitos pobres, cópias globalizadas, discursos centrados nos próprios egos. Para encontrar um bom conteúdo precisamos navegar por muito lixo redundante e fútil.

Precisamos nos esforçar para manter um bom nível de linguagem. Ela é tão necessária quanto a respiração para a criatividade humana.

Nos blogs, nos posts, nos tablets, ebooks, nos celulares e em todas novas formas digitais, as palavras precisam ser tratadas com cuidado. Os meios digitais  são as novas páginas em branco, tudo o que pode ser escrito e criado. As palavras dependem de nós, mas o nosso futuro depende muito mais do que vamos fazer com elas.

@robertotostes
publicado também na PontoMkt



Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…