Pular para o conteúdo principal

A TECNOLOGIA PRECISA DO ABSURDO


Estamos cercados de tecnologia por todos os lados. Hiperconectados, interagindo com controles e mecanismos com circuitos e chips cada vez menores e mais inteligentes.

Então fica a seguinte questão: Com tantos recursos e esforços em investimentos, pesquisas, desenvolvimento, equipamentos e materiais, por que a tecnologia não nos proporciona itens com maior inventividade?

São milhares de horas, atenção e neurônios gastos com coisas que não escolhemos.
Não parece meio absurdo que a tecnologia não possa ser mais criativa?

Por exemplo, eu gostaria muito de ter um gravador de sonhos. Às vezes eles são complicados ou tão rápidos e nebulosos que gostaria muito de poder rever ou viver suas sensações de novo.

Em vez do antigo saco de risadas, porque não uma almofada que nos faça rir ou pelo menos sorrir com vontade?

Que tal uma luminária de raios de sol para dias de chuva?

Ou um spray de relaxamento para estresse?

E um chão de areia e mar para você caminhar quando tiver vontade?

Não seria bom um massageador de egos portátil para pessoas indecisas?

Para certas personalidades o melhor seria um bom borrifador de humildade.

Um detector de corrupção seria muito útil também.

Imagine um marcador de contrastes sociais para resolver diferenças e favorecimentos.

Quantas vezes não sentimos falta de um multiprocessador de problemas?

Outros iriam preferir um liquidificador de angústias.

Cápsulas de simplicidade poderiam colaborar para organizações, empresas e governo resolverem grandes questões que enfrentamos nas grandes cidades.

Já pensou  em energia gratuita sem tomada, baterias ou custo? Seria ótima para termos menos barulho e poluição.

Imagine quantas pessoas por aí devem ter boas ideias para fazer um mundo melhor.

Às vezes tenho a impressão de que a tecnologia parece caminhar para uma determinada direção enquanto a criatividade genuína do ser humano aponta para outro lado,

Fica o recado para inventores, empreendedores, empresários, governos, fundos de investimento.

Sonhar não tem preço. 

Tragam mais ideias absurdas para a realidade.

@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…