Pular para o conteúdo principal

TWITTER IN RIO: ENTREVISTA COM O PÁSSARO MAIS BARULHENTO DO PLANETA


Quem trabalha com janelas abertas sabe que o inesperado pode acontecer.
Não me perguntem como um pássaro azul pousou no topo do monitor e ainda respondeu algumas perguntas. Não tive dúvida pela cara azul de desenho animado, pelo jeito de falar rápido e tive que digitar sem pensar as linhas a seguir:

O que fez um pássaro que nem existe na vida real pousar logo aqui no meu monitor?
Ora, qualquer ser para estar vivo só precisa ocupar um lugar no espaço e no tempo, virtual ou real.  O movimento do Twitter anda tão intenso e crescente nas últimas semanas que assim que achei uma brecha pousei na primeira tela que vi para descansar. (= >)

Como você veio parar logo aqui na América do Sul, Brasil e Rio de Janeiro?
O movimento aqui neste país não pára de crescer, em usuários, tuitadas e importância. Já dei tantas voltas por aqui que até descobri porque eu/nós fazemos tanto sucesso por aqui: vocês adoram se agrupar, falam muito e rápido, gostam também de calor, barulho e sol. E olha quantos pássaros voam por este céu todo ou migram pra cá! (= >)

Mas muitos criticam o Twitter  por ser inútil, superficial, efêmero e sem conteúdo. O que você diz disso?
Pelo que tenho visto, as pessoas aqui sabem usar bem o lado passarinho delas e até fazer movimentos de mobilização. Talvez por serem tão emocionais e urgentes como nós. Acredito ou acreditamos que vocês ainda vão fazer muitas coisas boas conosco. 
É como um movimento migratório, simplesmente acontece em determinadas épocas. Só que no caso de vocês ele acontece mais vezes, com mais gente, e ninguém consegue controlar isso!! (= >)

Como é essa coisa de ser um e vários ao mesmo tempo?
É um instinto natural de bando. É algo bom da natureza que ensina que somos todos a mesma coisa. De repente vocês podem voar na mesma direção ou se unir em torno de algo importante. A natureza sempre se utilizou de instintos coletivos em colméias, cardumes e outras aglomerações. Mesmo num vôo não existe líder. O grupo voa em formação V pra economizar força e energia de todos e troca de líder quando ele cansa.

Podemos dizer então de certa forma que o Twitter já existia no mundo?
Essa foi a grande percepção de quem criou a ferramenta. Trouxe este instinto selvagem da natureza para as redes sociais. Ninguém previu que ia se disseminar tanto e fazer tanto sucesso. E quem imaginou um dia que os pássaros aprenderiam a voar tão bem? Eles penaram muito na evolução para chegar a isso.

O que você diria para estes milhões de tuiteiros espalhados pelo Brasil que tuitam todos os dias?

Sigam o instinto e o coração, que sempre tem que bater acelerado como o dos pássaros para conseguir voar. Mas não esqueçam da força e da responsabilidade das palavras, mesmo em apenas 140 caracteres. Ou seja, usar bem o Twitter só depende de vocês! Fui... (= >)

@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…