Pular para o conteúdo principal

Por Uma Web Mais Limpa e Humana


Será que é tão difícil ter menos spam, banners, propagandas que pulam na tela, popups indesejados, menos imagens piscantes quando entramos em um link ou uma página da web?

 É muito pedir textos originais, imagens criativas e principalmente mais clareza visual e informação de valor?

Com tantas possibilidades na rede mundial conectada precisamos de mais espaço em branco e mais área livre para focar e realmente ler, trocar e interagir. Que surjam mais plataformas como a Medium. Limpas, acessíveis e democráticas.

A web não deve copiar o que de pior existe na tevê, no rádio, nas propagandas enganosas e ostensivas, nos telemarketings e nas constantes atitudes de desrespeito ao consumidor e cidadão.

Precisamos de espaço, silêncio, bom design, usabilidade, boa navegação, fontes seguras e clareza de informação com visual agradável.

A internet é nova e ganha cada vez mais força. Vamos então cuidar bem deste espaço livre de expressão, de informação acessível a todos e de discussão de ideias.

Vamos exercitar aqui novas formas de relação entre pessoas, indivíduos e empresas, cidadãos e governos, enfim, valorizar o lado humano por trás de tanta tecnologia.

Redes e Mídias Sociais são feitas de pessoas, que sente, vive as coisas e tem ideias e opiniões. Elas querem ser ouvidas, valorizadas e respeitadas, necessitam de diálogo e bons argumentos. Querem também respeito às suas informações pessoais, seus dados e costumes.

É preciso ter atenção no que se publica, no que se divulga, no que se vende, na ideia que se propaga, na forma que se entrega, no que apresentamos em sites, vídeos, imagens, sons e mídias em geral.

Aqui as leis de boa convivência devem ser ainda mais respeitadas: mais consideração, educação, cordialidade, sinceridade, espírito cooperativo, solidariedade. Bons exemplos não faltam no mundo real e virtual.

Vamos parar de jogar lixo no chão da web. A sujeira virtual tem muitas formas e devemos evitá-la. Isto vale para pessoas, grupos, empresas, instituições, governos, classe política.

É hora de exigir e garantir qualidade, limpeza e clareza dos locais que frequentamos e acessamos virtualmente.

Basta pensar que estaremos cada vez mais tempo e mais dentro da web.

Ninguém precisa ser obrigado a navegar desviando de objetos poluidores não identificados.

Todos temos o direito de querer uma web mais limpa e útil, basta usar nossa força coletiva.

De pessoa em pessoa, grupo em grupo, interagindo e multiplicando ações na rede, podemos conseguir clarear as coisas.

Vamos valorizar e zelar pelos sites, blogs e portais limpos e objetivos que respeitam nossos olhos e mentes, com simplicidade.

O seu clique tem muito mais poder do que você pensa.

@robertotostes

Veja o vídeo e baixe grátis o meu livro - Escrever e Blogar -

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…