Pular para o conteúdo principal

A CHANCE DE VENDER E PUBLICAR MAIS LIVROS



Os livros de papel continuam.  Eles não impedem a venda de edições digitais, assim como essas mídias não vão acabar com o tradicional circuito autor-editora-livraria-leitor. 

Nunca houve tanta informação na web.  A força das mídias sociais na web pode ser positiva para quem quer escrever e publicar,  autores, editoras e empresas do setor.

Com o sucesso dos iPhones e dos iPads, a Apple  vem  marcando sua força também neste mercado. A Amazon  ainda é  líder de vendas e com o novo leitor a cores, KindleFire, que também acessa a web, mantém forte a briga na venda de livros digitais.

É um mercado em mudança e com muitas oportunidades. Mas  as estratégias comerciais  precisam se adaptar aos tempos digitais. 

São novos leitores, novas plataformas de leitura e formas diferentes de interação.
Se o mercado de apps para tablets e celulares  vende bilhões de jogos e utilitários diversos, porque não adotar uma postura semelhante?

Basta seguir a mesma lógica, venda em massa com bom preço e muita diversidade de escolha. 
As editoras podem investir em produtos de baixo custo para incrementar as vendas. Fazer promoções, lançar autores novos, testar títulos novos na web antes de lançá-los em grande escala.

Autores também podem usar a web para se aproximar de leitores, ter contato direto e mostrar projetos novos.  Os que ainda não publicaram podem testar isso por conta própria ou através de sites especializados em publicações on line. 

Livrarias também podem  usar a web para incrementar as vendas e suas parcerias com autores e editoras, além de fortalecer sua relação direta com clientes.

Uma grande revolução está acontecendo e todos envolvidos na área editorial podem  aproveitar a oportunidade para fortalecer este mercado .

O tempo na web  é instantâneo e pede ações rápidas.  Ser simples, sincero e criativo é a melhor forma de chegar bem perto de seu público, e das pessoas ,e atrair e formar novos autores e leitores, seja para edições digitais ou de papel.

@robertotostes


Outros posts sobre o assunto:

Chapeuzinho Vermelho, Lobo Mau e o Mercado de Ebooks http://migre.me/eho5u
Saber Ler para Saber Escrever http://migre.me/d1OIE 
O Que Blogueiros podem Aprender com Escritores e Escritores com Blogueiros.http://migre.me/bWJ6i

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…