Pular para o conteúdo principal

PORQUE O TWITTER É BOM DE COMUNICAÇÃO



Uso o twitter desde 2009. Logo no início senti o potencial da ferramenta, pela sua simplicidade e rapidez.
Muita gente comentou que não ia durar. Mas em poucos anos o pássaro azul conquistou milhões de seguidores, com o Brasil em segundo lugar.

Por trabalhar com comunicação gosto muito desse recurso, por sua rapidez  e transparência. 
E com uma web cada vez mais acessada pelo celular nada mais útil. Você pode estar na rua ou em transito e interagir com pessoas, produtos e serviços, a 140 caracteres por hora.

Pode ser a trabalho,  ou para trocar mensagens rápidas,  pesquisar, comentar, filosofar ou se divertir.
O Twitter é viral por natureza, tem instinto coletivo que mobiliza as pessoas. 

É um potencial de disseminação impressionante, como milhares de andorinhas migrando em questão de minutos ou horas.

Portanto dá para tirar algumas  dicas do Twitter sobre o que é fazer uma boa comunicação:

1) Menos é mais.

Os 140 caracteres considerados limitados são mais do que suficientes para  passar uma boa mensagem, chamada, ou link.   No Twitter simplicidade e objetividade são tudo. E criatividade cabe em qualquer embalagem.

2) As pessoas gostam de interagir.

São milhares de tuitadas por segundo em todo mundo. Nossa necessidade de comunicação, falar e ouvir é a função básica da ferramenta. O Twitter trabalha bem também com outras mídias e redes,  dinamizando redes, grupos e discussões.

3) Comunicação boa pode ser mensurada.

É como você se gritasse a janela e pudesse sentir a intensidade do eco.  Você pode medir com eficiência quem leu, quem retuitou, quem comentou, é uma comunicação instantânea, dinâmica e participativa.

4) Personalização na web tem seu valor.

Ninguém é obrigado a seguir ninguém no Twitter. Cada um monta sua lista, são micro redes pessoais conforme o gosto e preferências. Saber formar seu  público e listas é um trabalho diário,  de grão em grão, que requer atenção e critérios. Quanto mas cuidado, mais valor terá.

5) Pequenos também tem voz.

Você não precisa de uma grande estrutura para divulgar e fazer ações de mídia.  Pequenas empresas, autônomos e organizações alternativas têm a oportunidade de fazer ações que podem ter grande impacto a custo mínimo. Ë a chance de testar também novas estratégias e ousar mais na comunicação.

6) Conteúdo e interação.

Como tudo na web, para manter um público atento e cativo você tem que fornecer bom conteúdo e original, e com frequência. Trabalho de formiga, constante e diário.
E sempre abusar da interatividade, dialogando, respondendo sempre, provocando, deixando sempre um canal aberto.


O Twitter tem muito a ensinar sobre as tendências da web em cada momento. 
Aprenda a traduzir estes movimentos e faça sua comunicação pegar carona nestas ondas.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…