Pular para o conteúdo principal

Sustentabilidade não tem hora marcada



Sustentar algo é fazer da forma certa, trabalhar para que as coisas sejam sólidas e durem.
Para isto é fundamental reciclar, reutilizar, renovar.

Por isso me preocupo com a repercussão e a responsabilidade de um evento como a Rio+20. 
A questão é que a sustentabilidade não pode ter hora  e data marcada, tem que ser atitude de todo dia, das pessoas, governos, empresas e instituições.

Não importa quem veio ou não, o que vale é o compromisso e o resultado das reuniões.
Criou-se uma expectativa tão grande  - a nível mundial - que vai ser difícil atender a esta demanda. O marketing em torno disso nos colocou dentro de uma armadilha.

A Rio+20 ou aquilo a que se propõe tem que acontecer mesmo é de forma diferente.  Todos os dias, semanas e meses, com decisões e atitudes concretas de governos e empresas. Isso é o que esperam os cidadãos.

Na mídia a sustentabilidade é linda, virou um grande argumento de marketing e com maravilhosas criações publicitárias. 

Enquanto isso, na prática a gente vê os mesmos erros de sempre.
Para quem acompanhou a Rio 92, o que era novidade na época, trazia grande esperança.
Depois de 20 anos, o  que damos como exemplo? 

Basta pensar no que estamos fazendo com  Código Florestal,  da discussão de Amazônia, Belo Monte e outras coisas do tipo.

A culpa desta situação toda e do nosso impasse não é de um ou outro. É de todos.
Enquanto não nascer e prosperar esta consciência coletiva, nada mudará.

A natureza nos ensina coisas de diversas formas. Às vezes branda, às vezes violenta e tragicamente.
É uma questão de escolha, não é mais ecológica e política, é uma questão de sobrevivência  de nós e do planeta.

Dentro de sua casa, de seu cotidiano, de suas palavras e ações.
Esta decisão na verdade é individual,  cabe na consciência de cada um, e não como resultado de um evento.

Esse e outros passam mas a outra mobilização, a que faremos no dia a dia depois é que vai determinar o futuro, desta e das  próximas gerações.

É hora mesmo de nos reciclar como pessoas e cidadãos.


publicado também no pontomarketing

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…