Pular para o conteúdo principal

Sobre Escrever para Web



De um teclado, do laptop, ipod ou celular, você está digitando solitariamente.

Você não tem ideia de quantas pessoas vão ler o seu texto.  Ao contrário de colunistas de jornais e revistas, jornalistas ou escritores conhecidos, você não tem garantido um número grande de leitores. 
Como muitos outros, ainda depende de uma boa repercussão para se espalhar nas mídias sociais e ser bem lido, para aumentar ou manter o seu alcance de audiência comum. 

Independente do que você se propôs a escrever,  é como se entrasse numa espécie de ringue, e em cada palavra, frase e parágrafo tivesse que brigar por seu público.

É até o caso de se sentir meio que um estranho subindo num palco e tentando chamar a atenção de alguém ou dizer alguma coisa de valor. 

Você tem que ser sincero e direto, envolvente e original, arriscar, encarar o vazio.

Como se lutasse contra um adversário invisível de quem você não pode prever os movimentos e as reações, e cegamente poder tomar socos e pancadas nem sabe de onde.

É também lutar com você mesmo,  pra criticar, cortar, reescrever,  e jogar fora se for o caso.
Não importa se o último texto fez sucesso ou não, a cada post ou texto publicado recomeça a briga pelo direito de divulgar o que você escreveu, ser lido e entendido.

A web não mente. Você vai saber tudo pelas estatísticas, retuitadas,  mensagens e comentários recebidos.

Se não estiver nos melhores dias ou grandes inspirações, vai enfrentar apenas um silêncio que dói como gelo sobre a pele, friamente.

Às vezes vai bater aquela crise,  porque estou tentando neste exato momento escrever uma coisa que nem sei quem vai ler?

Mas nestas terras de criações, sonho e delírios não há espelho nem respostas fáceis. É sua cabeça encontrando mais uma forma de tecer angústias e questionamentos sobre si mesmo.

Então, você vai poder olhar para trás e pensar em todos os textos que escreveu. Ou relembrar a  angústia daqueles momentos que não teve ideias ou temas, e de tudo aquilo que também não foi escrito.

Mas lá no fundo você não desiste. É uma coisa meio suicida e instintiva, que vem lá do fundo de sua alma.

Você se sente largado em um imenso deserto.

Mas não há nada igual nem areia quente ou calor absurdo que aplaquem esta procura, que tirem você desta praia.

As boas palavras e ideias serão sempre como água depois de muito esforço e de uma enorme sede.
Vale a pena dizer algo e escrever, sempre.

Mesmo sem saber quem ou quantos vão poder ler, ouvir e entender.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…