Pular para o conteúdo principal

SOBRE ESCRITORES E BLOGUEIROS


O campo de batalha é o mesmo: palavras, ideias, textos, mensagens, divagações e a necessidade de se expressar.

Um escritor e um blogueiro tem em comum o uso da palavra, para construir um texto, contar uma história ou uma opinião.  Existe sempre um público, maior ou menor, alguém que lê.

Envolvido no mito da criação solitária, o escritor sempre teve o recurso do tempo, do isolamento. O blogueiro surgiu em tempos de web e se alimenta de sua rapidez e abrangência.

Os tempos mudaram, escrever e aparecer agora se confundem.
Todos precisam se expressar de alguma forma, marcar posição.

As multidões se estendem on line e podemos ouvir o murmúrio de milhões de vozes.
Entre o blogueiro e o escritor notamos as diferenças entre dois mundos que se cruzam, da neblina digital e social que vai invadindo nossas realidades.

Escritores


  • Sempre desejaram ser eternos, imortais.
  • O escritor quer congelar um tempo, uma cena, uma época. Pensa longe.
  • Quem escreve quer ficar longo tempo elaborando sua ficção.
  • Diante do papel aquele que se propõe a viver para escrever pode ficar paralisado, se angustiar. E  neste vazio e desespero pode até encontrar a essência de sua criação
  • Escritores costumam ser tímidos, reservados, às vezes até antissociais.
  • Quem escreve sabe desvendar pessoas, intenções, sentimentos. 
  • O ofício da escrita requer intensidade e profundidade, em busca da obra perfeita. 
  • Muitos escritores sabem que é preciso quebrar regras e conceitos.
  • Gostam de se isolar, preferem fugir da multidão.
  • Não se importam tanto com o tempo, mas com o resultado.

Blogueiros


  • Querem captar o momento, numa tradução quase instantânea. 
  • Quem bloga já antecipa o próximo post. Sabe quem e quantos o estão lendo e acompanha isso com a adrenalina ligada.
  • Quando olha pra tela pensa no tráfego, no alcance e na disseminação de suas ideias. 
  • Blogueiros gostam de opinar, se relacionar, debater.
  • Quem escreve para a web tem que estudar indexação, palavras-chave, estatísticas.
  • Gostam de produzir muito, com frequência e rapidez.
  • Quem posta e cuida de um blog  fica mais preso a regras de otimização,  objetividade e de leitura e busca, audiência. 
  • Para blogueiros o tempo é agora, instantâneo. Querem ser divulgados e lidos, quanto mais melhor.

Quem tem a última palavra? Ninguém.

Mas escritores podem e devem aprender a blogar, mostrar mais a cara. Só tem a ganhar com isso para interagir e conhecer melhor seu próprio público.

E blogueiros podem também investir mais no ofício da escrita. Evoluir no manuseio da palavra, no polimento criativo, na pesquisa, no acabamento. 
Escrever é reescrever, sempre.

Para a web e a qualidade geral do conteúdo, todos só terão a ganhar com isso, quem produz e quem lê.





Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…