Pular para o conteúdo principal

A Pressa é Inimiga da Web


Verdade ou mentira, Histórias de pescador ganham fama e circulam rápido. No marketing digital  e na web existem muitos “especialistas ”contando histórias para ganhar clientes e vender possíveis soluções completas.

Portanto muito cuidado ao contatar serviços que prometem milagres da noite para o dia em vendas, promoção ou marketing.

Se temos algo de verdade a aprender com os pescadores, é sobre a paciência. Desde a preparação do equipamento, isca, transporte, tudo é lento e requer um método e concentração.

O pescador sabe que não decide tudo sozinho, depende dos peixes, do tempo, da correnteza, do silêncio e da calma. Ele precisa se adaptar e principalmente saber esperar, às vezes durante muito tempo ou até dias, para conseguir seu “peixe”.  

Virais costuma fazer barulho instantâneo na web, mas tão rápido quanto surgem, desaparecem na multidão. 

Internet é trabalho lento e personalizado sim, mas é também feijão com arroz. Planejamento, ação e avaliação, tudo muito de perto, na ponta do lápis e controle adequado das informações , pois conforme as condições os peixes também somem. Haja paciência e atenção.

Parece uma contradição num tempo em que tudo acontece tão rápido, em ritmo acelerado. Mas a verdade é que para bons negócios muitas regras não mudam, no mundo real ou digital.

Se falhas ou limitações já existem no ambiente real não é passando para o digital que tudo se resolve, pelo contrário, pode piorar.

Os clientes vão continuar querendo sempre um bom atendimento, e se sentir valorizados, ouvir a verdade, comprar produtos sinceros e só valorizar ao se sentirem respeitados como consumidores. Sejam dezenas ou centenas ou milhões, querem se sentir únicos.

O fato de agora todos estarem  “acessíveis” nas redes sociais é uma tremenda ilusão. 
Como enormes redes de pescaria que parecem poder pegar tanta coisa ao mesmo tempo mas acabam sendo menos eficientes e ainda mais danosas ao meio ambiente.

A internet é viva e as pessoas são muito mais espertas e volúveis do que parecem. Em termos de interação e compartilhamento qualquer erro ou vacilo gera um efeito de disseminação

Bem sabem disso os pescadores solitários que  aperfeiçoam sua arte durante anos a fio, sob qualquer tempo. 

Entre tantos  “cases”  modernos e alguns “causos” antigos, talvez tenhamos ainda muito a aprender com o jeito de fazer negócio dos comerciantes que do balcão sabiam lidar diretamente com seus clientes. E tocar seus negócios muito bem.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…