Pular para o conteúdo principal

Viajamos para Voltar

Quando  viajamos descobrimos uma energia extra e acabamos fazendo muito mais coisas do que costumamos fazer. Andamos, sorrimos mais, comemos mais atentos, olhamos com mais atenção, ficamos mais simpáticos, parecemos mais bonitos.

Descobrimos coisas novas e nos descobrimos mais vivos do que nunca. Queremos mais e intensamente desfrutar de todos os momentos. 

Quem viaja abre mais os olhos, o coração e a alma para o inesperado. Enfrentamos melhor o desconhecido, nos aventuramos mais e aceitamos melhor pessoas desconhecidas, o inesperado e o acaso.
As viagens nos excitam e nos movem. Nos aceleram no tempo e espaço e assim mesmo um dia parece imenso.

E mesmo assim sempre voltamos com a sensação de algo que não pudemos fazer ou esquecemos.  Porque viajar é ver como o mundo é vasto e complexo.

Cada cidade tem sua identidade, seu cheiro, sua luz, seu ritmo. Cada lugar tem suas pessoas e seu jeito, sua voz e sotaque.

Vamos pisando nestas terras, respirando seu ar e nos misturando com essa massa viva de coisas, pessoas, ambiente.

Não deixa de ser uma espécie de sonho. Mas acordamos a todo momento sentindo algo mágico no ar. Mesmo coisas simples como uma pedra, uma folha, uma  simples cena pode nos tocar a alma.

As imagens na viagem são quase quadros vivos que queremos capturar e levar conosco.
Viajamos para voltar a enxergar detalhes que deixamos de ver no dia a dia.

Viajamos para descobrir realmente as coisas que gostamos, ou o que nem sabemos, enfim aquilo que nos move a enfrentar distâncias, ônibus, carros, trens, obstáculos, filas, chuva, contratempos, tudo apenas para chegar e colocar os pés em algum lugar que nunca pisamos antes.

Viajamos para esquecer de nossos problemas. Viajamos também para fugir de nós mesmos e darmos um tempo em tantas tensões, angústias e pensamentos.

Esticar a corda, superar os limites, desencavar coisas escondidas, estar aberto a mudanças. 
Nas viagens toda e qualquer terra volta a ser espaço de descoberta. Ampliamos nosso horizonte em chãos de barro, pedra, asfalto, neve, areia.

Viajar é uma imagem, um momento intenso, um fotograma de um filme parado.
As imagens na viagem são quase quadros vivos que queremos capturar e levar conosco.

As imagens são uma forma de viajar. Fotografar é organizar coisas e formas no espaço. Capturar um momento fluido que talvez nunca mais se repita. É estar atento, compor, prestar atenção nos detalhes. Cor, luz, forma, movimento, tudo em volta. 

Fotografar e viajar são viagens diferentes na mesma viagem.
O tempo de fotografar suga um pouco do nosso tempo, da chance de viver mais plena e intensamente um certo momento.

Mas depois que tudo passa, retornamos por estas mesmas imagens e multiplicamos a sensação de recriar e reconhecer aquele instante, de forma ainda mais intensa e clara. É uma passagem em aberto para voltar e entender melhor o que tivemos naqueles momentos intensos.

Repetir o disco, a música, até cansar de ver e rever, de ouvir e sentir.
Viajar é degustar a viagem que já foi.

Viajar é voltar.
Viajar é retornar porque em algum momento sentiremos falta de casa, de nossas coisas, de nosso canto.
Viajar é ter também a sensação boa do caminho de volta, do retorno.

Viajar é também saber chegar, desfazer as malas, se acomodar no seu canto e no seu próprio silêncio.


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…