Pular para o conteúdo principal

Quando Começar é Tudo


O bom de começar um texto novo é que  no início tudo é branco. Tudo pode ser ameaça ou bloqueio mas também tudo é possível.

O que vem  pode surgir de um acontecimento inesperado, de uma imagem um pensamento, um olhar, de uma palavra. Não dá para dizer muito antes de acontecer.

Podemos começar muitas coisas mas só algumas terão o fogo,  a faísca, a capacidade de fazer nossos olhos brilharem, o coração acelerar.

Preste atenção nisso e cave mais para ver o que surge. Aproveite  esta  vontade e energia muito forte de começar a  fazer alguma coisa nova.

Como se diz no surfe: aproveite a onda. Pelos teclados, papéis, rabiscos, estamos vivendo intensamente algo além de nós.


O bom disso:

Tudo é possível se soubermos acreditar. É esta força que move o universo, sentimentos e pessoas, revoluções, paixões, arte, ciência, descobertas.
Não importa o que veio antes, nem currículo ou intenções. Vale  mesmo o que você pode fazer agora, a partir do próximo instante. Quem escreve um história mata e morre muitas vezes.
Viver cansa. Escrevemos para voltar a ser uma página em branco.


O risco disso tudo:

Estamos aqui para isso, para errar e recomeçar. Para sofrer e descobrir.
O que realmente importa é saber escolher a coisa certa. Como a flecha que escolhe o alvo, sem que se pense muito, apenas mirando lá.
Em certos momentos e situações só existe um centro para onde deve se dirigir toda a sua energia, garra e determinação.


O que pode acontecer?

Seja qual  for, vale o movimento porque as mudanças dizem o que somos.  Na forma que pisamos e para onde vamos, naquilo que queremos falar e contar a alguém..
A linha que você irá escrever pode se estender ao infinto. Longa curta, vale o que ela traduz de você
A vida é feita de grandes pequenos passos mas também de sutis movimentos de ponta de dedo e giro de tornozelos.
Temos valsa, rock, samba, corridas, andares vacilantes e leves paradas.
Até o impasse do vou não vou  e da procura das palavras  pode ser um indicativo de decisão.
O que não se pode é desistir, ou achar que não vai conseguir.


Dica final:

Olhe em volta. Respire sem pensar muito. Viva o momento.

As palavras estão aí à sua volta. Não se importe tanto, siga seu coração.

Quem mergulha esquece o trampolim. Só pensa na ida. E isso é só o começo.


@robertostes


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…