Pular para o conteúdo principal

O Contéudo é Rei de Quê?

Nunca se falou tanto da importância do conteúdo. E no entanto nunca vimos tanta informação repetida e ruim na web, mal escrita ou mal traduzida.

Faltam ideias, opiniões originais, coragem para expressar ponto de vista próprio e também mais respeito a nossa língua e um certo capricho na elaboração de texto e discurso.

Se somos tão criativos como brasileiros porque aceitamos essa avalanche de nomes e termos estrangeiros em nosso dia a dia, nos nomes das empresas, palavras, frases, na propaganda, academicamente, no nosso dia a dia, em casa e até em nossos diálogos?

Se atualmente o conteúdo é rei, que tal relembrar a velha história e dizer que esse rei está nu e precisa realmente se vestir com coisas que façam sentido e diferença?

Devemos continuar pesquisando sempre, estudar e citar fontes mas vamos dar o nosso toque final, incluir mais nossas ideias e percepções.

Informação boa é feita de qualidade e inteligência.

A realidade do país é só nossa e ninguém pode lidar melhor com isso do que nós mesmos.

Quebre regras. Ouse. Arrisque. Não repita fórmulas. Mude sempre. Surpreenda.

Saiba ouvir sua voz interior e principalmente a dos outros. Ouça com o olhar, com todos os sentidos.

Todos podemos fazer melhor do que isso tudo que está inundando a web numa enchente de informação rala e vazia. 

E mais, aprenda a praticar isso junto com o cliente, parceiro, fornecedor, instituição, projeto. 
É só estar disposto e querer mesmo começar a fazer diferente.

As palavras e ideias que praticamos e divulgamos são parte do futuro que construímos, individualmente e coletivamente.

A web aumenta nossa possibilidade de expressão. Mas cresce também a nossa responsabilidade com cada texto, frase ou ideia que usamos.

@robertotostes

Nunca se falou tanto da importância do conteúdo. E no entanto nunca vimos tanta informação repetida e ruim na web, mal escrita ou mal traduzida. Gritaria em massa sem trazer nada de novo.

Faltam ideias, opiniões originais, coragem para expressar ponto de vista próprio e também mais respeito a nossa língua e um certo capricho na elaboração de texto e discurso.

Se somos tão criativos como brasileiros porque aceitamos essa avalanche de nomes e termos estrangeiros em nosso dia a dia, nos nomes das empresas, palavras, frases, na propaganda, academicamente, no nosso dia a dia, em casa e até em nossos diálogos?

Se atualmente o conteúdo é rei, que tal relembrar a velha história e dizer que esse rei está nu e precisa realmente se vestir com coisas que façam sentido e diferença?

Devemos continuar pesquisando sempre, estudar e citar fontes mas vamos dar o nosso toque final, incluir mais nossas ideias e percepções.

Informação boa é feita de qualidade e inteligência.

A realidade do país é só nossa e ninguém pode lidar melhor com isso do que nós mesmos.

Quebre regras. Ouse. Arrisque. Não repita fórmulas. Mude sempre. Surpreenda.

Saiba ouvir sua voz interior e principalmente a dos outros. Ouça com o olhar, com todos os sentidos.

Todos podemos fazer melhor do que isso tudo que está inundando a web numa enchente de informação rala e vazia.

E mais, aprenda a praticar isso junto com o cliente, parceiro, fornecedor, instituição, projeto.
É só estar disposto e querer mesmo começar a fazer diferente.

As palavras e ideias que praticamos e divulgamos são parte do futuro que construímos, individualmente e coletivamente.

A web aumenta nossa possibilidade de expressão. Mas cresce também a nossa responsabilidade com cada texto, frase ou ideia que usamos.


@robertotostes é autor dos livros:

Escrever e Blogar — três anos de blog em um livro digital — de Roberto Tostes — Formato PDF — gratuito — http://goo.gl/u2iUuo

Ebook Infantil — Dô Minhoca
booktrailer: http://youtu.be/gMbrl0C2ugk


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…