Pular para o conteúdo principal

Papel e Criatividade




Um bom comercial é como uma boa conversa, você tem alguns segundos para criar atenção e interesse. É preciso usar humor, criatividade, surpresa, e claro, um senso de oportunidade para falar de algo na hora certa.

Um exemplo disso é um filme de 40 s chamado “Emma”. Neste anúncio, para falar de papel os criadores recorreram a um... tablet. Nesta contradição reside o gancho e a boa sacação desta peça, que deixa de ser um filme de venda/anúncio para ser um exemplo de história bem contada.

Marido e mulher representam os dois lados opostos, ele ligado em tecnologia e ela apegada a formas antigas de fazer a coisas, a maioria delas envolvendo papel.

Durante 90% do tempo o maridão fica zoando dela, sobre  vantagens tecnológicas, das coisas digitais, etc. O roteiro é tão objetivo e simples que ele não usam quase palavras, só caras e entonações.

Claro que a grande tirada fica para o final, em que Emma dá o “troco” e provoca a grande virada. O fecho é perfeito e passa perfeitamente a mensagem. Mesmo sendo falado em outra língua, a comunicação é instantânea.

A boa propaganda respeita a inteligência do espectador. É simples, direta, e em tempos de redes sociais, dá uma tremenda vontade de compartilhar.

Link do Vídeo:

@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…