Pular para o conteúdo principal

Lições de Marketing do Twitter


Nem todas as histórias de sucesso são feitas de acertos e sacadas genais.
Traduzir a paixão das pessoas em produtos e serviços sempre será o grande desafio do marketing.
A história do Twitter é um exemplo do que as pessoas e os mercados  realmente desejam e alguns poucos conseguem adivinhar e realizar.

O projeto inicial dos seus fundadores era de uma rádio na web.  Apesar da boa recepção não conseguiram usuários suficientes, e a ideia foi abandonada.

Após reuniões internas e mudanças de sócios e investidores, quem continuou optou por um projeto totalmente diferente e que chegou à semente do que é a ferramenta hoje.

Testando e aprimorando

O projeto inicial era para uma comunicação instantânea entre amigos usando celulares e somente via sms. Para baratear o custo, estabeleceram o limite teto de 140 caracteres e sem o uso de vogais. Apesar das limitações, eles perceberam nos testes pelo interesse das pessoas que a ferramenta tinha grande potencial.
Ao fazer uma versão para ser usada também em computadores  e tirar a limitação de uso das vogais é  que eles perceberam que o potencial da ferramenta ficou ainda maior e mais dinâmico. O nome também encaixou perfeitamente com o estilo do produto.

Sabendo lançar e valorizar o produto

Os criadores decidiram lançar o Twitter em um festival de música e filmes focado em tecnologia (SXWS). Colocaram duas telas de 60 polegadas que passavam instantaneamente as mensagens trocadas entre os usuários. A estratégia foi um sucesso, resultando em milhares de novos usuários em poucos dias, e a partir daí o aplicativo estourou na web.

Contra todos as previsões de que não ia durar, a ferramenta se propagou no mundo todo sem precisar se vender ou abrir espaço para publicidade  O Brasil se tornou um dos lugares com maior número de usuários.

Qual é a fórmula do sucesso?

Para seus fundadores, o diferencial do Twitter é sua rapidez e potencial de disseminação. Além de poder criar e montar sua própria rede, qualquer um pode mandar uma mensagem instantânea para o mundo. Você pode dizer o que pensa e o que acha de qualquer coisa.
Serve para expressar as emoções de uma pessoa, divulgar links, promover empresas e projetos e reforçar ações combinadas de mídia.

Mesmo enfrentando grandes empresas como Google, Facebook, Youtube e outros
ele conquistou seu espaço e respeito.

Aquilo que poderia ser uma limitação tornou-se uma qualidade. A obrigação de reduzir  para ser objetivo, simples e rápido tornou-se o diferencial da ferramenta.

O uso de @ para identificar usuários , de tags para assuntos e palavras–chave e a criação dos top trends foram outras inovações da ferramenta que acabaram incorporados por outros aplicativos.

Comunicação veloz e eficiente

Esta necessidade de se comunicar intensamente e rapidamente de forma personalizada é uma característica deste tempos acelerados da web. O Twitter apenas preencheu uma necessidade existente de diálogo e interatividade.

Outras empresas inovadoras virão e conquistarão seu espaço. Basta perceber as oportunidades,  saber fracassar, se adaptar e se renovar.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…