Pular para o conteúdo principal

Criar nos surpreende


O melhor texto ou ideia é aquele que nos surpreende, pelo qual não estávamos esperando, e que surge de repente, do nada.

Não importa se levaram dias ou meses, mas ao voltar a escrever de novo, a sensação de fazer e produzir algo é muito boa. Quanto mais inesperado, melhor.  

Um texto é um certo tipo de abrigo, algo que construímos para guardar coisas. Elas podem  vir de uma emoção, de uma lembrança, de um devaneio ou esperança. De algo que vimos ou de um vazio ou angústia que nos invadiu em algum momento.

Ele será sempre um espaço de criação único e intenso. Ver as palavras, frases e ideias fluindo numa explosão nos faz sentir mais vivos, mais presentes.

Esta necessidade de dizer algo a outra pessoa ou para nós mesmos é tudo que importa neste momento. 
Mesmo que a gente não conheça quem vai nos ler ou decifrar. Se ela e outros esbarrarem neste texto em algum canto ou lugar e perceberem pelo menos a intenção de quem disse e sentir parte de sua emoção naquele momento, então a função primordial de comunicação e mensagem já estará cumprida.

Esta sensação de criar e fazer é na  verdade algo muito mais simples do que imaginamos.  Assim como a de um músico tocando seu instrumento e escolhendo notas, do pintor mexendo um pincel na tela, de um  escultor achando o caminho da figura em uma pedra ou metal ou do barro se moldando numa forma pelas mãos.

A arte nasceu para ser simples e não complexa. Somos todos criadores e criaturas, personagens e atores da nossa própria história.

Neste momento que produzimos algo, transcendemos um pouco nosso ser e de certa forma encontramos um grande vazio, mas é nesse mesmo vácuo que passamos a ser algo mais, além do limite, das bordas, dos precipícios, dos estereótipos em que nos enquadraram ou na armadilha dos nossos medos.

Quanto mais longe e para fora de nossas realidades nos arriscarmos, mais humanos e perto de alguma verdade estaremos.

Escrever é arriscar sempre.  Seja na ficção, em blogs, artigos, diários, mensagens,  de alguma forma promovemos um encontro  às cegas com algo nosso profundo , interno, bruto, intenso..
A escrita é a janela que nos tira de dentro e que nos transforma em algo melhor e visível lá fora.
Para escrever nunca foi necessário hora marcada e nem mesmo inspiração.
   
Inesperadamente, com dor ou prazer, sempre estaremos prontos para um novo texto.
Escrevendo ou não, as palavras novamente chegarão, independente de nossa vontade.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…