Pular para o conteúdo principal

Tire Esse Banner ou Pop Up da Minha Cara

Certamente isso já aconteceu ou acontece com Você em algum site ou link:
Estamos na internet para Navegar, Ler  e Ver o Que Queremos e Escolhemos.
Entrar num site e Receber um Banner/Pop Up  na Cara é como dar de cara numa porta publicitária vendendo não sei o que. Se algum administrador ou dono de site acha que vai conquistar ou vender algum serviço com isso deve estar muito enganado ou então não tem ideia do que é educação ou respeito ao consumidor.

Como queremos muito ler e acessar certas páginas acabamos aceitando levar umas bannerzadas ou popuzadas na cara. Mas existe uma maneira de rápida e simples de bloquear isso.

Pesquisei rapidamente na internet e dou a dica para quem como eu se sente desrespeitado.
Para quem usa o Chrome ,  basta ir nas - Configurações - e depois  - Configurações avançadas - até chegar na opção - Configurações de Conteúdo - e na opção - Pop Ups - marcar a opção - Não Permitir que Nenhum site Mostre Pop Ups.

Funciona imediatamente após você ativar esta opção.
Para quem quiser maiores detalhes, segue um dos links disponíveis com maiores  explicações:
http://www.aabaca.org/2012/07/como-bloquear-paginas-pop-ups-no-google.html

Não tenho nada contra publicidade e banners na internet desde que usados de maneira razoável.
Se nós como consumidores continuarmos a aceitarmos propaganda como esta, vamos abrir espaço para  uma publicidade e propaganda cada vez mais invasiva e desagradável.

Pode pensar em coisas como um telemarketing ativo em 3D e interativo nos perseguindo virtualmente por todos os lados. Portanto, muito cuidado. A Publicidade Zumbi vai vir com tudo para sugar nosso sangue, tempo e atenção.

Façam como eu, gastem alguns minutos e dêem um basta neste Lixo Invasivo Comercial . Seus olhos e ouvidos e sua paz de espírito agradecerão.

Já escrevi mais sobre este assunto anteriormente. E infelizmente parece que a coisa só piora:

Por Uma Web Mais LImpa e Humana. http://migre.me/7LSdl 


@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…