Pular para o conteúdo principal

Histórias nos ensinam a brincar de viver


Histórias sempre foram contadas para todos, crianças e adultos, em grupos, rodas e fogueiras, por milhares de anos.

Se nos repetimos tanto em nossas vidas é por isso que nos entregamos tanto à ficção, em livros, jogos, filmes. Queremos esquecer de nós e ser outros, encarar grandes e impossíveis desafios, enfrentar o inesperado, o diferente, vivenciar junto com outros emoções e aventuras.

Histórias transformam crianças em adultos e vice e versa. O escritor que cria torna-se criança. A criança que lê torna-se herói ou heroína, mágica, invencível.

Histórias tem vida. Vidas dentro de vidas. Vidros de emoções e situações através dos quais podemos enxergar pessoas e acontecimentos. Transparências e espelhos que nos mostram que podemos nos enxergar melhor.

Somos ficção e realidade misturados. Continuamos sendo personagens à procura de um autor, de um palco, uma voz. Leitores ávidos por algo sempre novo.  Ou escritores perdidos entre a criação e o vazio.

Mas parece sempre que não queremos largar nossos papéis principais, nossa vida que escolhemos e repetimos.  Insistimos em não acreditar que podemos ser apenas meras marionetes.

Nem pensamos na hipótese de sermos feitos de pau e que podemos mentir e mentir de novo, como Pinóquio.

Crianças gostam de histórias porque querem brincar de viver. Elas realmente se apaixonam por seus personagens, realmente vivem.

Choram e se desesperam. Escutam de novo, pedem mais, fazem parte destes mundos distantes de alma e coração, em voos possíveis e imaginários.

Crianças não se importam de ser Pinóquios, de serem heróis, e até bandidos, vilões, monstros. Trocam com facilidade de papéis e sonhos, armaduras e fantasias, sempre entrando de cabeça, com emoções intensas, reais e sinceras.

Esquecemos que fomos crianças e que éramos muito mais livres. E de como todas as histórias eram muito mais reais.

@robertotostes

Conte Histórias: A Menina e os Lápis http://migre.me/eNmuI
A Arte de Contar Histórias. http://migre.me/ev2en

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…