Pular para o conteúdo principal

Novas mídias e novas revoluções


As manifestações de junho de 2013 vão ficar para a história. Muita gente foi agredido nas passeatas pela ação truculenta da polícia mas a maior surra está sendo  dada mesmo nos políticos, nas mídias e  em todo um sistema que se auto-sustenta no poder sem ceder espaço ou mudanças.

Em meio a um evento de superestádios recém-inaugurados a rede que balança é de um movimento que a nada se prende ou deve, o que justamente faz sua força por ser espontânea, e mais que viral, febril.
Do sofá da tevê para o teclado nervoso dos computadores e celulares, estamos vendo surgir um novo tempo, que a velha ideologia política não consegue acompanhar. Ela é mais ágil, mais sincera e mais verdadeira.

Nestes momentos a melhor mídia somos nós. Com nosso celulares, câmeras e vozes, somos mais sinceros, honestos e rápidos. A rede social apenas expressa isso.

Seu protesto é a resposta a tudo que o cidadão não vê acontecer desde sempre. As mesma respostas e soluções vazias para problemas sociais e econômicos que se repetem.

As passeatas ameaçam o povo comum mas seu esforço e propostas de serem pacíficas e expressar ideias sinceras vão conquistam mais solidariedade.

Não somos mais reféns do que é veiculado, dito ou escrito. Tudo que vai sendo veiculado em rede nacional nos programas mais vistos e pelas estrelas da mídia é imediatamente avaliado e questionado por uma grande massa conectada e solidária.

A velocidade do twitter ultrapassa o tempo da mídia. Assistimos a um diálogo dinâmico e compartilhamento de informações, opiniões e alertas em tempo real.

Um manifestante na rua que é agredido não está só, ele está acompanhado de muitos outros que estendem o movimento para além de um simples confronto.

A luta é de todos e continua reverberando pelas esquinas, bairros, cidades, por todo o país e até fora dele.
Neste novo tempo revolucionário todos podemos ser ativos e assinar embaixo. É um movimento que se alastra mais rápido porque que ainda existe a esperança da mudança.

Se tudo começou por vinte centavos a pólvora correu e mostrou que há muito mais em jogo, muito mais indignação e cansaço de sistemas e ideologias que já não nos atendem.

Na sociedade de milhões com o uso social das redes, o cidadão tem a chance de recuperar sua voz coletiva.  O espaço aberto da web é a grande avenida para levantar este movimento e fazê-lo resultar em algo real e positivo.

Os caras pintadas já foram estrelas da mídia há muitos anos atrás. Os tempos agora são outros.
Agora muito mais caras, de todos segmentos e idades, estão pintando nas ruas e na web, mostrando sua cara e sua vontade de mudar.

Cabe a todos que se engajarem nesta luta fazer valer a pena. Estar juntos e unidos no mesmo espírito pacífico e solidário de mudança é o principal.



@robertotostes

Recomendo o artigo do Fãbio Malini:
http://www.labic.net/cartografia-das-controversias/a-batalha-do-vinagre-por-que-o-protestosp-nao-teve-uma-mas-muitas-hashtags/


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…