Pular para o conteúdo principal

A Aventura de Escrever e Publicar


Escrever e publicar algo é como abraçar folhas em branco. Tentamos nos colocar inteiros ali e realmente passar algo.

Para escrever muitas vezes abrimos nossos baús, malas e caixas, soltando fantasmas e correndo atrás deles para entender seus significados. 

Ou são nossas memórias e angústias que nos assombram querendo ser ouvidas, entendidas e decifradas.

Nem todos conseguem enfrentar e superar bem este processo. Mas enfrentá-lo e transformá-lo em algo novo pode ser uma experiência renovadora, mesmo com toda dor, enfrentamento, dúvida ou desespero.

O que pode ser gerado sempre terá valor, irá criar seu caminho e sua vida própria, independente do autor. 

Este é o desafio da arte e de todos criadores. Só tomamos conta até certo ponto. E nunca sabemos exatamente o resultado final.

E mais, você pode vivenciar este processo de perto, através de um amigo ou amiga, companheiro ou companheira, e acompanhar muito de perto este processo.

Pode respingar tinta, pedras, farpas mas também a alegria, fogos de artifício, um choro de alívio ou a emoção de um coração disparado.

Vivi esta situação com minha esposa e também escritora, Teresa. Desde o primeiro momento apoiei e acreditei, sabendo que dessa semente alguma coisa boa brotaria.

Foi difícil, foi longo, foi trabalhoso, mas o filho está aí. Em formato digital, escrito e publicado com design da própria autora (na  iBookstore da Apple e já disponível para iPad)

O nome diz um pouco de tudo: A cigarra.

Como muitos autores, que sonham publicar, ela atravessou um limite e foi um pouco além. Mesmo sem editora e sem estar publicado em papel, suas palavras estão aí. Prontas para serem lidas por qualquer um. Conhecidos e desconhecidos.

Muitas vezes não percebemos detalhes significativos da vida.

Este é um voo solitário, de alguém que venceu seus próprios medos e acreditou no seu talento. 
Nosso maior valor não está no que os outros pensam ou acham de nós. Nosso verdadeiro valor está no que realmente fazemos.

Às vezes até esquecemos disso, mas uma cigarra pode voar.

Parabéns, Teresa. Me orgulho de você e assino embaixo.


Como baixar o livro:
Em PDF: Link para baixar o livro:
http://goo.gl/eJbS9W
Para iPad:  entre no aplicativo -  iBook - dentro dele procure o item - loja - . Vá na busca e digite - a Cigarra.
Boa Leitura!


Abaixo o link para o lindo book trailer que ela mesmo produziu para divulgação:



A cigarra from Teresa Moraes e Roberto Tostes on Vimeo.

Link para baixar o livro em PDF:
http://goo.gl/eJbS9W

Agora também no Portal da Literatura Digital - de Marcelo Spalding.
http://www.literaturadigital.com.br/?pg=25028


Aos interessados em fazer um livro digital ou um book trailer, contacte-nos no email -  robertotostes@gmail.com

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…