Pular para o conteúdo principal

Nosso Ego Através dos Espelhos

Câmeras, Celulares, ação! Sorria, Você está sendo filmado. Ou melhor, visto e digitalizado quase 24h por dia, em máquinas câmeras e todo tipo de dispositivos.

Índios temiam a fotografia porque diziam que podia roubar suas almas. Bem, se não roubam, podem pelo menos distorcer bastante a noção de realidade, ainda mais em tempos digitais.

Não é só questão de ego, é um vazio ideológico que parece não se completar nunca, uma fome de imagem que nunca se autosacia.

Tudo vem se tornando uma espécie de espelho 3D, em que você olha quase o tempo todo para si mesmo, como num reflexo. Ao mesmo tempo, imagina como os outros estarão vendo e avaliando esta mesma imagem logo depois.

Por isso a angústia de se autoeditar, preocupado com seu visual instantâneo, melhorando em tempo real o sorriso, ou a pose.

Quanto mais nos fotografamos, mais parece que investimos em nossa autoestima, quando na verdade estamos ficando cada vez mais sozinhos e inseguros.

Estamos tão viciados e entorpecidos pelas imagens que até uma simples filmagem já nos cansa. Precisamos que ela fique cada vez mais acelerada e picotada como nos videoclipes ou numa sequência de fotos em looping estroboscópio que nos tira o fôlego antes de sabermos exatamente o que estamos vendo.

Vivemos na montanha russa como se fosse um andar normal, querendo mesmo é sentir a adrenalina correndo nas veias, esperando a próxima queda brusca ou acelerada vertiginosa.

Levamos e guardamos tantas imagens no bolso ou qualquer aparelho digital que aquele olhar demorado e lento sobre um único retrato atual ou antigo não existe mais. O registro de imagens se acelera tanto que ultrapassa nossa própria vida e momento.

Antes de viver o momento já estamos fotografando e filmando compulsivamente o que nos acontece ou olhamos. Não vale mais a sensação e o lugar, mas o que poderemos mostrar aos outros que não estão ali.
Para alterarmos imagens cotidianas e bobas abusamos dos filtros e cores artificias para psicodelizar ou mudar os tons, como crianças brincando de colorir. No fundo nem percebemos que estamos só criando mais uma forma de alterar realidades e enganar nossas percepções, cansadas da repetição.

Nossos olhos verdadeiros se transformam assim em um periférico de uma máquina, um botão vazio e mecânico.  Como se estivessem anestesiados, sem uso. A quem interessa olharmos tanto e não ver nada verdadeiramente?

As imagens podem nos ensinar muito coisas se aprendermos a ter um olhar crítico sobre a realidade e sobre nós.
Temos que fazer como Alice, viver a aventura através do espelho, e não na frente dele.

@robertotostes


Leia Também:

Encontrando Narciso na Web - http://migre.me/5GkgI #redessociais

A Arte de Fotografar e o Lado Zen do Instagram. http://migre.me/aLIt7   #instagram #zen

A Web nos Decifra e Devora #karmadigital http://migre.me/5VH0r


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…