Pular para o conteúdo principal

Publicar ou Não, Eis a Questão


Se Hamlet conquistou fama pela questão existencial de ser ou não ser  - o grande dilema de quem escreve e produz textos é decidir como e onde publicar.

A internet abre oportunidades para carreiras solo que não dependem tanto de editoras, agentes e livrarias. Por outro lado, a concorrência de quem escreve nunca foi tão grande. É uma arena com enorme disputa e muitos pretendentes.

Para os escritores da era digital existem questões fundamentais a serem respondidas:

1) Valor/Identidade
É preciso acreditar no já se produziu e na qualidade do produto. E importante ter o reconhecimento de pessoas com conhecimento de literatura ou profissionais da área editorial.

2) Oportunidade/Mercado
As vias convencionais das editoras devem sempre ser tentadas. Trocar ideias com outros escritores ou grupos ajuda neste processo. É fundamental saber quem é seu público, nicho ou segmento de mercado.

No meio de todo este processo você pode chegar a uma decisão difícil:
- Ser publicado ou auto-publicar?

Cada uma dessas opções tem pontos a favor e contra:

1) Ser Publicado:

  • Tem menos independência mas conta com uma estrutura maior de edição,  produção, distribuição e divulgação;
  • Uma editora ou um agente contam sempre com maior experiência de mercado;
  • Libera mais tempo para você se concentrar em escrever e produzir.
  • Você não precisa investir, mas é bom estar atento aos detalhes do contrato de publicação e/ou agenciamento, e participar de perto dos processos de divulgação e venda.

2) Autopublicar-se

  • Pode gerar mais títulos e com maior facilidade mas a responsabilidade é maior no fazer, divulgar e vender;
  • Você atua sem intermediários, pode definir preços competitivos e aumentar ganhos em escala;
  • Pela falta de estrutura você pode enfrentar muitos obstáculos e perder dinheiro e tempo, sem garantia de obter sucesso.
  • O risco é grande mas o ganho também pode ser maior


De forma geral tudo pode depender do momento de cada um ou de uma oportunidade que surja.
Cada uma das opções tem vantagens e desvantagens.

No final a escolha e a responsabilidade de qualquer decisão será sempre sua.
Estamos sempre correndo riscos nas escolhas.

Pode ser o caso de um projeto mais pessoal e você achar melhor se auto-publicar.
Ou pode ser um texto que você dá tanto valor que prefere realmente contar com uma estrutura editorial por trás.

Opções não faltam, assim como autores às vezes tocam projetos com mais de uma editora.
O barco é seu e você sempre poderá mudar o rumo.
Existem ainda as possibilidades de meios digitais ou de papel.

As edições eletrônicas vieram para ficar e não precisam eliminar o papel. É tudo uma questão de conteúdo e forma de leitura.

Cada vez mais estas duas opções de publicação se integram. O que conta hoje muito mais é ter uma presença digital, poder dialogar com seu público, ficar acessível de alguma forma.

Estar presente e ativo nas redes sociais. Ter um blog ou produzir e divulgar textos em um site; artigos, contos ou outros textos.
A dinâmica da web é o constante movimento.

Desta forma, você poderá conquistar leitor a leitor, fazer novos contatos e expandir sua rede de relacionamentos, ampliando o alcance de seu trabalho e de seu nome.

Existem ainda muitos recursos novos como uso de fotos, vídeos, enquetes, diálogos com leitores e seguidores, participação em grupos e também de eventos on line.

Não é obrigatório que um escritor  tenha um blog ou que vire um blogueiro, mas saber usar a web a seu favor é um fator importante. Poder ver outras experiências, trocar ideias, pesquisar, experimentar soluções diferentes.

Escrever e Publicar é percorrer uma longa estrada. Qualquer um que se aventure nessa estrada terá que continuar andando, sempre.  Mais vezes, mais dias, mais tempo.

Pois o que vale no fundo é estar no caminho.

Não existe solução padrão , cada pessoa deve construir  sua própria história, suas escolhas e seu jeito de escrever e publicar.


Por mais que desejamos nos isolar do mundo em nosso processo criativo, tem certas coisas que não dá para deixar por conta dos outros.
São nossas próprias vidas, decisões e atitudes que vão escrever nossa história


Confira a Vídeoapresentação criado a partir deste post:
https://vimeo.com/78905621

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…