Pular para o conteúdo principal

Ele, Ela e as Palavras


Ele escreve correndo, as palavras vem mais rápidas do que o tempo de digitar.

Ela corre para escrever,  cuidando das ideias como se fossem bolhas de sabão.

Ele nunca fica parado, pensando várias coisas ao mesmo tempo.

Ela presta muita atenção, sua intensidade acontece por dentro.

Ele tenta ter mais foco mas nem sempre consegue.

Ela  tenta organizar o mundo e se esforça em entender as pessoas e as situações.

Com tantas ideias na mente ele muitas vezes se perde e não termina nenhuma delas.

Ela tem uma maneira mais lenta de criar poucas, e se emociona muito no processo.

Em qualquer pedaço de papel  ele rabisca coisas, misturando pedaços de meio, começo e fim, fora de ordem.

Ela mergulha de cabeça e vai  lá no fundo, buscando sempre as melhores palavras para cada texto.

Os sonhos podem tirá-lo do chão e ele demora para voltar à realidade.

Ela vive em um mundo especial, como um filme longo com muitos dramas e emoções envolvidas.

Ele inventa personagens totalmente loucos e improváveis.

Ela quer entender as pessoas e e descrever momentos e sentimentos em detalhes.

Ele gosta de improvisar uma história do nada.

Ela gosta de contar a mesma história muitas vezes.

Ele às vezes quer ficar isolado de tudo e em silêncio.

Ela é capaz de ficar horas conversando sem ver o tempo passar.

Tão diferentes e distantes, mas um dia se esbarraram.

Entre palavras e olhares, uma faísca iluminou algo dentro deles.

Mesmo com as diferenças, foram ficando próximos, sem perceber.

O primeiro abraço foi forte e longo.

Os dois acabaram se apaixonando.

Os anos passaram.

Entre encontros e desencontros,  permanecem ligados;

A palavras ficaram, juntas e misturadas com seus destinos.

Ele já escreveu vários hai kais sobre ela.

Ela já pensou em escrever  um romance sobre os dois,

Ainda trocam muitas ideias e sentimentos,  bastando às vezes olhar um para o outro.

Não vivem sem as palavras assim como não podem ficar distantes.

Como textos , se escrevem e reescrevem, buscando sempre um novo sentido, um novo significado, uma nova emoção.

Ele, ela e as palavras, como uma história que não acaba de se contar.

@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…