Pular para o conteúdo principal

Uma Maneira Diferente de Contar Histórias



A magia das palavras é a mesma. Contar histórias envolve sempre pessoas e emoções. Mas os recursos digitais podem dar nova vida a livros e personagens.

Uma pessoa pode agora usar um iPad ou um iPhone e celebrar este milenar ato de contar histórias de uma forma diferente e dinâmica, em qualquer lugar e momento.

Continuaremos falando de aventuras, de desafios, de heróis, princesas, de suspense, medo, humor e alegria. Viajaremos no tempo e nas cenas imaginadas, nos atos e na mente dos personagens e enredo.

A novidade que os novos ebooks nos trazem é o uso de aúdio, animações, narração e interatividade.
Escritores continuarão tendo seu valor e poderão soltar mais ainda sua imaginação. Editoras terão mais recursos. Bibliotecas e livrarias poderão se renovar. Professores, educadores e muitos leitores poderão descobrir mais títulos e se apaixonar mais ainda pela literatura.

O “Era uma vez” agora poderá se multiplicar em novas formas de leitura e mídias.
Isso acabará valorizando ainda mais as palavras,  incentivando a leitura e renovando a magia de uma história bem contada.

Como autor, tive a oportunidade de participar, ver de perto este processo e conhecer as novas possibilidades de um livro digital. Foi um trabalho de equipe.*

Minha história cresceu e ganhou mais vida na versão ebook. Isso não acaba com o livro de papel, apenas expande seu universo e suas possibilidades.

Ler e escrever continuarão sendo partes inseparáveis da mesma história, no mundo real e na vida digital.

Veja o booktrailer mostrando como é o livro digital da Dô Minhoca:
http://youtu.be/gMbrl0C2ugk

Ficha Técnica do ebook - Dô Minhoca
História e ilustrações: Roberto Tostes
Trilha Sonora: Thiago Jamas
Narração: Silvio Vasconcellos
Programação e edição em epub3: Simplíssimo


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…