Pular para o conteúdo principal

Os Riscos de um Escritor






Antes de ser palavra um risco é nada, um traço, um esbarrão, mas ali está a faísca de tudo, de algo que surgiu de repente.
Esta palavra é tão forte que ganhou até forma e significado de verbo, arriscar, algo que envolve perigo, desafio e conquista.
Por isso um escritor deve sempre arriscar ao escrever. De uma forma ou de outra ele precisa encarar seus fantasmas e medos e tentar colocar tudo no papel. Mesmo que se queime ou que não entenda totalmente a chama ou o fogo.
Porque há momentos na vida em que é preciso arriscar, mesmo com erros, mesmo que a gente se exceda ou se repita.
Somente neste trato constante e íntimo com as palavras é que alguém pode descobrir sua verdadeira voz, seu estilo, seu traço, sua veia principal.
Estamos falando de um risco além do racional, do técnico. É algo mais visceral, sanguíneo.
Nessa luta de palavras e significados, estaremos mexendo com o fogo, calor, dor, sensações, emoções fortes.
É a essência da vida na ignição das ideias, sentimentos e memórias. Com tudo que se movimenta e forma percepções dentro de nossa própria mente e consciência.
De alguma forma precisamos tentar soltar isso, buscar lá dentro, mesmo que não pareça muito visível, mesmo que dolorido ou oculto.
Porque quem não tentar e errar não vai ter algo para se debruçar e garimpar.

Toda joia nasce sempre da forma bruta. É preciso encontrar a mina, escavar e lapidar.
O escritor que não arrisca, não anda, não evolui, não produz.
As melhores palavras poderão ficar muito tempo esperando sua iniciativa. Do que você ainda não escreveu, no que não enfrentou ou viveu.
Mais que o resultado, importa a tentativa, o mergulho.
Para ser escritor, é preciso esquecer tudo que se pensa que sabe, e nunca ficar parado numa zona de conforto.

Quanto maior o risco, mais surpreendente poderá ser o ganho.

@robertotostes

imagem: Wikipedia — Swedish high diver Arvid Spangbergat the 1908 Olympic Games from the fourth Olympiad.

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…