Pular para o conteúdo principal

Se a Internet fosse um Livro



Eu gostaria que a internet fosse como um livro, com a capacidade de ter muitos outros livros dentro. Que você pudesse abrir e folhear, entrar e sair por entre as páginas, ir além das palavras.

E mais, entrar em outros livros por trás daquele, descobrindo a fonte do que gerou ou influenciou aquele texto que interessou a você.

Conseguindo ir mais a fundo dentro daquele assunto ou tema, sem se perder. E de certa forma achando coisas dentro de coisas, abrindo caixas dentro de caixas, descobrindo, entendendo melhor.

Desenrolando um grande fio, uma trajetória extensa e funda dentro de um saber, de algum tipo de conhecimento e descoberta.

Gostaria muito que a internet me fizesse concentrar mais, e não me dispersar, me perder em informações sem valor, navegações sem sentido, sem rumo.

A web seria muito melhor se tudo fosse simples e direto. Um universo franco, limpo, amplo, cheio de possibilidades.

Onde tudo simplesmente fosse o que é, sem segundas intenções. Em que as pessoas pudessem expor o melhor de si, o mais profundo, o mais verdadeiro, para se expressarem, para ajudar alguém, para conversar, dialogar.

Sem querer vender alguma coisa, empurrar alguma ideia, exibir seus egos, impor alguma ideologia ou produto. E também sem termos nossos hábitos e comportamentos rastreados e controlados.

Eu realmente preferiria muito que a internet fosse assim, como um livro aberto e acessível, sem pedir nada em troca.

Uma chance de aprender algo ou descobrir uma coisa que não sabia. A oportunidade de ser alguém melhor, ir além de seu próprio limite, seu saber, sua experiência, sua emoção.

Por isso falo do prazer de ler um bom livro, quando temos aquela sensação de ver tudo parar em volta, e nos deixamos levar pelas páginas e pela história, com algo que mobiliza, que nos emociona.

Isso é mesmo uma troca, um horizonte que se abre, um caminho que continua e não termina. Um labirinto que mostra que pode haver uma saída. Janelas e portas que se abrem para novas ideias, outras pessoas, outro lugar, outra cultura, outro mundo.

Essa seria a melhor internet possível, como um livro de páginas abertas, em que você poderia abraçar o mundo e entrar dentro dele, e viajar e sonhar.

Como um mar de palavras em uma praia selvagem, longe, e desconhecida, quase inacessível, mas que sempre vale todo o esforço de procurar e encontrar.

Essa seria a internet que eu gostaria de ver, assim como o tipo de livro que eu sempre gosto de encontrar e ler.

A internet não é assim, mas bem que poderia ser. Para chegar lá ela ainda vai ter que evoluir e aprender  muito com os livros, em todas suas formas múltiplas, em papel ou na tela digital.

@robertotostes

imagem: Imagem: George Peabody Library, Baltimore, Maryland, USA.  Fonte: Wikipedia

#porumawebmaislimpaehumana

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…