Pular para o conteúdo principal

Os Leitores Cegos


Algumas pessoas parecem escutar mas não ouvem. Outras fingem prestar atenção mas não querem aprender. Tem aquelas que acham que sabem ler mas não absorvem aquilo que realmente importa.
Um texto não é uma folha imóvel nem uma tela piscando.

Uma leitura é quase uma conversa. Se você não dialoga com o que lê, não vai se emocionar, guardar nem aprender nada. 

Você poderá retornar para uma página um livro ou frase durante toda sua vida.

Ler é ver a si mesmo ou o outro(a) e o mundo sob um aspecto diferente. Ler é ler e reler, decorar, repetir, ler de trás pra frente. Entender e não entender, desconfiar, recomeçar, querer ver de novo.
Mesmo sem ter nunca visto ou ter conhecido um(a) escritor(a) você poderá ler e conhecer sua alma, seus mais profundos, difíceis ou simples pensamentos.  Estará junto dele de alguma forma, não importa se na ficção ou na realidade.

Ler é muito mais do que ver uma palavra ao lado da outra. É uma descoberta, um choque de realidade. Construir e desconstruir um muro, ter medo, prazer, loucura e curiosidade misturados. 
Ir do nada ao tudo num pulo, em menos de um segundo. Levar um susto ou ver o coração disparar sem sair do lugar. 

Ler nunca se acaba, nem quando alguém escreve ou quando outros leem. Ler será sempre infinito, um significado além do comum.

Leitores cegos existem muitos, e parecem se multiplicar, num mundo lotado cada vez mais de informações e sensações visuais vazias e auto-referentes.

Mas haverá sempre chance de um deles redescobrir a linguagem. Mudar sua forma de ler, ir tateando de verdade as palavras, em forma, som, sentido.

Leitores cegos costumam não querer fugir do espelho mas sempre podem voltar a enxergar.
Como se nunca tivessem visto aquilo, e pudessem enxergar de repente o mundo que existe sutilmente por trás de uma palavra ou frase.

E do nada, vibrar de felicidade e espanto, por conseguir enfim ler, de corpo e alma.


@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…