Pular para o conteúdo principal

E COMO FICA A CABEÇA DE QUEM TRABALHA COM MÍDIAS SOCIAIS?


Imagine um carro de corrida em velocidade estonteante em uma reta, sinta-se em águas profundas investigando áreas obscuras, entenda o medo e a leveza do seu corpo caindo em um salto de paraquedas, imagine a excitação do cientista testando uma nova fórmula, sofra a angústia de um artista diante da tela em branco, imagine tudo isso ao mesmo tempo e mais alguma coisa.

Esta pode ser uma imagem exagerada dos profissionais que trabalham na web com comunicação, mídias e redes sociais, Mas talvez seja assim mesmo em alguns momentos.

Envolve criação, planejamento, monitoramento, reação, versatilidade e tudo que pode acontecer instantâneamente na web: os riscos, desafios e aprendizado desta arena digital.

Para se adaptar bem a tudo isso a cabeça tem que estar pronta para atuar em 7 níveis :

1) Produtor – Como um bom agricultor, saber semear e gerar bom conteúdo, mantendo o público fiel e interessado.

2) Aglutinador – Ter espírito de união, conseguir trabalhar em equipe para render mais. Puxar a participação dos usuários e conseguir mobilizar a audiência.

3) Criador – Buscar novas ideias e formas de comunicar. Inspirações, referências, novas mídias. Não repetir fórmulas, inovar, planejar, executar e avaliar resultados.

4) Mediador - Mediar e administrar conflitos, estimular o diálogo e a interatividade, abrir canais de comunicação. Usar os meios certos para cada tipo de comunicação.

5) Pesquisador – Descobrir novas fontes, ler textos, ver apresentações e vídeos, atualizar-se. Estar aberto a novos conceitos e dedicar tempo para estudar e aprender coisas novas.


6) Conectar-se – Estar ligado em redes, parceiros, manter canais ativos de troca de informações e links, participar de encontros, eventos, discussões.

7)  Senso coletivo – Ter uma percepção boa para entender o que acontece na web. Sentir a voz geral, perceber tendências, analisar movimentos na rede e prever reações.

Mas cuidado, essa imersão toda no mundo virtual pode também viciar e criar dentro de você um viral com efeitos imprevisíveis.  A sensação pode ser excitante demais mas o tombo também.
De vez em quando é preciso saber desconectar disso tudo e cair na real, isolar-se, desligar e voltar a ser e agir como uma pessoa normal. Como diz a música, ser apenas mais um na multidão.

@robertotostes
publicado também no PontoMkt
Referências:
http://blog.getsatisfaction.com/2011/01/24/community-manager/?view=socialstudies
http://www.web-strategist.com/blog/2006/11/16/what-a-community-manager-does/

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…