Pular para o conteúdo principal

COMO PEDIR AUMENTO AO SEU CHEFE – E NÃO CONSEGUIR



O funcionário entra na sala do chefe e diz:

- Não agüento mais essa situação. Quero um aumento, senão vou começar a procurar outro emprego.

Fim do 1° Round, corte.

Essa cena acontece porque apesar de pensar nisso há meses, o funcionário demora a reunir coragem suficiente para enfrentar o chefe, com medo de perder seu emprego.

Pressionado e tenso, ele não sabe bem como argumentar e exigir o que merece, e em geral na hora do confronto acaba levando a pior.

Após a surpresa inicial de um ataque frontal e direto como esse, os chefes acabam levando seus subordinados na conversa, prometendo coisas, pedindo para esperar mais um pouco e fica tudo por isso mesmo.

Próximos Rounds: A repetição.

A rotina volta ao normal e o funcionário perde a motivação, trabalha com menos empenho, fazendo apenas o necessário. É a forma dele revidar. Acaba sendo substituído ou pede para sair.

Nas pequenas empresas estes fatos acontecem com freqüência.

É ali o espaço onde geralmente novos profissionais tem mais oportunidades de mostrar seu talento e evoluir rapidamente, adquirindo experiência real de trabalho.

Mas é onde enfrentam a realidade dos pequenos negócios, sem cultura interna ou estratégia de valorização de funcionários.

Surgem problemas como a alta rotatividade, o trabalho em excesso, horas extras, e também a sobrecarga de funções e responsabilidades.

É comum enfrentar um chefe ou superior que prioriza o lucro, e ficar sujeito a relacionamentos baseados em amizades e não competências.

Quem tem razão, o funcionário ou o chefe?

A empresa pode estar desperdiçando o principal bem de qualquer negócio: pessoas. Salários baixos e rotatividade de mão-de-obra dão lucro a curto prazo. A longo prazo ela pode perder equipe, talentos e diferencial de mercado.

Já o funcionário se pergunta: vale a pena ficar ou sair?

Depende do momento, da carreira e pretensões de cada um, de sua situação financeira e da empresa.
A vida profissional está mais para ringue de boxe do que para mesa de bar.

Até o super campeão Mike Tyson conta que apanhou muito antes de começar a sair batendo nos outros.

Em pequenas ou grandes empresas os adversários vão mudar mas volta e meia você vai se sentir de novo dentro deste ringue.

Na vida e no boxe o que conta para vencer não é só força; é coragem, determinação, muito trabalho e preparação.

@robertotostes
publicado também na PontoMkt

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…