Pular para o conteúdo principal

NOSSO KARMA DIGITAL


Vivemos atualmente diante de um real enigma: aparelhos digitais que tentam nos decifrar e devorar.

web está nos devorando lentamente e ainda não tomamos consciência disso.

Cada vez mais vamos deixando  rastros digitais espalhados pela internet.

Os sites que freqüentamos, músicas que escutamos, o  que lemos, vídeos que assistimos,  as coisas que compramos, mensagens e diálogos que trocamos e compartilhamos nas redes sociais.

Querendo ou não estamos envolvidos numa espécie de karma digital. Nosso presente e passado recentes  podem estar indexados em mecanismos de busca, spyware, cookies, qualquer sinal digital que nos identifique.

Avançados recursos de softwares de análise e pesquisa  estendem cada vez mais os seus tentáculos como medusas que tentam solidificar nossos perfis,  gostos e hábitos de compra para prever nossos próximos passos.

Para muitas religiões o karma é um registro das nossas decisões e atos. Ele envolve  o que receberemos de volta pelo que fizemos, em algum momento de nossa  existência.

Em nossa vida virtual também digitalizamos nosso karma a cada momento: nos produtos que compramos, nas empresas, marcas, produtos, ideias e cultura que consumimos.

As grandes empresas da web sabem disso e agora já não querem somente produzir e vender mas principalmente dominar nossos ambientes digitais, reduzindo a concorrência e aumentando nossa dependência, podendo até restringir nossa liberdade de escolha.

Contra estas empresas que vão querer cada vez mais nos monitorar, controlar e  tentar atender a nossos mais variados desejos, temos que usar a nosso favor a estratégia  e o poder de sermos únicos e diferenciados.

Em 1968 uma revolução estudantil* tomou as ruas com os dizeres “a imaginação no poder”. Atualmente a  web é quem ocupa cada vez mais espaço nas nossas vidas.

Imagine então:  a favor de quem?

@robertotostes


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…