Pular para o conteúdo principal

O VALOR DE UMA MARCA





Nos tempos atuais, identidade é tudo. Para ser visto, entendido e reconhecido, é fundamental que a imagem e o nome da empresa sejam apresentados de forma profissional. 

Não é uma questão de estilo ou beleza, mas conteúdo e força, de comunicação simples e direta.

A identidade tem que traduzir tudo que a empresa, produto ou evento é, na essência.  O espírito, o perfil, sua proposta, o que vende.

Ë preciso condensar toda a informação colhida numa leitura visual de décimos de segundos.
Dar identidade é dar vida. 

Em marcas, não existe meio termo, nem mais ou menos. Ou ela impressiona ou cai no vazio. 

O criador da marca tem que ter um pouco de artista, e muito de observador para traduzir a alma do cliente, criar um produto que não será dele e terá vida própria. 

É a partir do branco que enfrenta-se o desafio de pesquisar, estudar, fazer e produzir algo real e palpável. 
Não há como não mergulhar de cabeça nisso,  perder e encontrar certezas. Seja na quinta ou na centésima versão; é preciso estar seguro de que chegou lá. 

Temos hoje a facilidade e a agilidade do computador, mas este processo humano de troca e descoberta, identificação e construção do resultado continua sendo intensamente humano, e depende igualmente dos dois lados, de quem faz e de quem aprova.

A angústia só acaba quando é apresentada  a proposta e a marca é aprovada pelo cliente.

Neste caminho de síntese e construção de uma marca qualquer detalhe pode fazer toda a diferença. 

O designer que criou a marca da Apple conta que Steve Jobs ficou em dúvida até o último momento sobre ter ou não a mordida da maçã no desenho. Daí saiu a característica única que a diferenciou de todas as maçãs existentes.

A cor e detalhes desta logo da Apple já evoluiu em forma e cores por muitos anos, mas sua essência e perfeição continuam intactas.

Todas as grandes marcas são simples e fortes, por isto resistem e tornam-se algo mais, parte de nossa cultura e de nossas vidas. 

A palavra diz tudo, marca é para marcar, deixar rastros, contar uma história.


publicado também no pontomarketing







Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…