Pular para o conteúdo principal

Em Tempo de Web Todos Somos Tudo e Nada


Em tempos digitais todos temos espaço e voz de alguma forma. Em blogs, redes, twitter, em vídeos, fotos e perfis sociais podemos expressar ideias como nunca.

É a oportunidade e o risco de estarmos globalmente conectados. A tecnologia permite que uma pessoa compartilhe e divulgue o que quiser a qualquer hora em diversos meios, de um computador, celular, tablet ou laptop.

Qualquer um agora é um possível gerador de informação. Sem censura, limitação, restrição Todos somos de alguma forma multiplicadores de coisas nossas ou dos outros. Somos tudo ao mesmo tempo, querendo ou não: rádio, cinema, teatro, artes, performance, mestres, estudantes, cientistas, criadores, uma mídia independente ambulante e falante.

E com nossas redes, tribos e conexões, ampliamos essa voz por centenas e milhares. A cauda é longa e se estende para todos os lados mas no fim todos fazem parte do mesmo círculo.

Talvez por isso as pessoas estejam mais aceleradas, ansiosas, querendo mais e mais em menos tempo, devorando informação e se alimentando de emoções intensas, numa roda digital que não pára de acelerar.
Neste circo digital as intensidades emocionais tomam a forma de caleidoscópio que nos entretem e paralisam nossos olhos, sugando uma atenção e tempo cada vez maior.

Da televisão costumava-se fugir nos comerciais ou pela variedade de programas disponíveis. Agora on line todos permanecem grudados em suas pequenas telas e veem o que querem a qualquer hora, criando mais dependência e inércia, muito barulho cercado por um grande vazio.

No meio disso tudo temos o  contraponto de não sabermos muito bem para onde estamos indo coletivamente. Segundo a ONU existem 7 bilhões de pessoas no mundo, 6 bilhões tem celulares  mas 2,5 bilhões não tem acesso a saneamento básico, ou seja, banheiros, privada, esgoto.

Nesta hora encolhemos os ombros e dizermos que não somos nada. Não temos muito  que fazer a não ser botar a culpa nas ideologias, nos partidos, nos governos, na sociedade capitalista, em alguma coisa externa e identificável.

Na grande plateia virtual e digital nunca fomos tão exigentes com o que vemos e lemos. Se carregamos tanta informação, cursos, títulos, dados, culturas, certezas, preferências  e verdades com nossos egos inchados e superestimulados, em que momento iremos parar, nos olhar e avaliar realmente o que estamos fazendo?

Podemos Ser Mais se não separarmos o que somos on line com o que exercemos na vida real, no dia a dia, na forma que falamos e tratamos com os outros, na maneira que defendemos o que pensamos, trabalhando no que acreditamos, fazendo o que precisamos e principalmente o que não precisamos ou não somos obrigados, sendo solidários e mais coletivos.

Já aceleramos tanto que o futuro já está aqui, muito antes do que imaginamos. Somos tudo e somos nada.
O que vai acontecer daqui para a frente depende muito mais de cada um do que parece. Pegue um pouco disso e multiplique por bilhões para ver o que acontece.

@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…