Nas Fronteiras do Livro Digital


Quem escreve sabe que no ato da criação temos como companhia o silêncio, o sonho, o devaneio.

Às vezes as palavras gritam dentro de nós, esperando para serem escritas. Debruçamo-nos sobre papéis ou telas brancas tentando decifrar aquilo que queremos dizer a nós mesmos ou alguém.

Isso às vezes nos cansa e esgota, mas também nos maravilha quando conseguimos produzir e finalizar algo que pode ser lido e entendido por alguém, mesmo um único leitor.

E isso quando vivemos num mundo em que as palavras tem fortes concorrentes, em fotos multiplicadas em milhões de dispositivos, em vídeos produzidos aos milhares, e distrações que nos perseguem e podem nos tirar o foco a qualquer momento.

Sem falar na intensa velocidade de tudo, de dias que parecem mais curtos, pessoas com menos tempo e nossas próprias agendas que nos pressionam e angustiam com tantos compromissos e tarefas.

De qualquer forma nunca se deu tanto valor às histórias, principalmente aquelas bem contadas.

Pois são elas, no meio de tanto turbilhão de barulho e torrente de informações que ainda nos conseguem parar, e fazer os olhos brilharem, o coração disparar, as lágrimas correrem, a saudade bater, e nos fazerem relaxar e até rir até de nossos medos, paranoias e obsessões.

Pois agora temos um novo recurso para valorizar mais as palavras e as narrativas. Os livros digitais estão falando e fazendo barulho, ganhando imagens em movimento.

Isso é bom, isso não prejudica a leitura. Isso expande o horizonte. Isso pode conquistar novos leitores. Por trás de todo estes efeitos continua intacto o valor da palavra.

Eu tive agora neste últimos meses a experiência de ver uma história antiga minha transformar-se num livro digital. Foi feito m formato epub3 que permite novos recursos como áudio, animação, narração e interatividade.

Não foi um trabalho solitário pois envolveu uma equipe de produção. Foi trabalhoso, muita troca de ideias e diálogo com a equipe envolvida.  Thiago Jamas, na trilha sonora,  Silvio Vasconcelos na narração, José Fernando Tavares (da Simplíssimo), na parte de programação e animação.

Posso dizer como escritor, que fiquei surpreendido em ver como os recursos digitais podem dar nova vida a um livro.

Percebi que uma história é algo a mais do que escrevemos. Toda história tem alma e vida própria.

Uma energia que cria e se recria, que de alguma forma se espalha e contagia. Seja lida, falada, contada, ou turbinada com recursos digitais, uma história sempre será uma história. Que sempre achará de uma forma ou de outra, alguém para ler, reler, contar e recontar.

As publicações digitais só nos confirmam que os livros em suas diferentes formas ainda tem uma longa história ao nosso lado. 

Cabe a nós entender, experimentar e saber aproveitar estes seus recursos e ajudar a aprimorá-los. 
É uma grande oportunidade para o mercado literário, para novos leitores, novos  editoras, e todos que queiram de alguma forma publicar algo.


@robertotostes




Para quem quiser conferir a história que escrevi e virou livro digital:

Link para baixar uma amostra ou  venda direta na loja da Apple:
https://itunes.apple.com/br/book/do-minhoca/id818361064?l=en&mt=11

Para comprar diretamente do iPad ou iPhone, entre no aplicativo iBook - loja - e procure por Dô Minhoca ou Roberto Tostes.


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Viagens, Bicicletas e Caminhos