Pular para o conteúdo principal

A maioria dos livros não vende


Não importa a maneira que você irá publicar ou publicou. É fato, a grande maioria dos livros não venderá bem.

Ou seja, não importa quem seja ou o esforço dedicado,  grande parte dos autores também não será um sucesso de vendas.

Mesmo assim, certo tipo de pessoas passará muitos e muitos anos pensando se devem e merecem publicar seus escritos.

Outros tantos ficarão pensando porque seus escritos ainda não foram publicados.
Haverá aqueles que simplesmente ainda não decidiram se isso é tão importante em suas vidas.

O fundamental nesta história é que existe algo de mágico quando você escreve e consegue ver o produto publicado de alguma forma, em papel ou ebook numa livraria real ou on line, junto com outros livros e títulos.

Na verdade, todos deveríamos considerar que, qualquer simples venda de um livro ou ebook, on line ou real, é uma espécie de tesouro.

Temos que valorizar cada leitor, cada e-mail ou comentário, cada resenha, crítica, cada reconhecimento de valor.

Um escritor é um escritor por decisão própria. Não é necessário se comparar com outros que vendem mais ou publicam mais, ou tem mais destaque na mídia e crítica.

Todo autor tem seu valor e de certa forma cumpre uma missão, uma promessa, um desafio, uma busca ou algum processo interno importante.

A maioria dos livros não irá vender. Tendo consciência disso como autor, você poderá se concentrar no que mais importa, ficar mais livre para escrever aquilo que realmente quer e deseja.

Escritores devem escrever livros e descobrir sua relação com as palavras e com a escrita, independente de qualquer coisa.

Se você irá ser publicado ou se auto publicar, e se o seu talento será reconhecido e descoberto, aí já é outra história.

Se você quer mesmo escrever,  siga em frente, escreva e produza, e fique satisfeito de saber  como isso é importante para você.


p.s:  Este texto é uma adaptação livre de um post de Hugh. C. Howey
Para quem quiser conferir o original em inglês:

Most Books Don’t Sell http://www.hughhowey.com/most-books-dont-sell/ via @hughhowey

@ Roberto Tostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…