Pular para o conteúdo principal

Informação sem cabeça




Em tempos de internet cada um de nós se torna uma espécie de mídia.

Ganhamos mais espaço para expressar nossas ideias mas  aumentou  a nossa responsabilidade com o que geramos como contéudo.

Indivíduos, organizações e empresas tem mais oportunidades de exposição e expressão mas também nunca estiveram tão expostos a um possível erro ou engano.

Um simples ato de repetir e compartilhar algo ou informação de quem não sabemos a fonte e que pode ser falsa, ter dados errados ou incompletos, podem trazer graves consequências.

Isso para não citar a questão da autoria de textos, fotos, ilustrações, música e outro itens relacionados a direitos autorais.

Pela rapidez e falta de visão crítica muita gente cai no erro e nem sabe o que está compartilhando ou curtindo.

A facilidade de acesso à informação em geral e a rapidez da disseminação na web traz este perigo na outra face da moeda.

Conhecimento requer esforço e atenção, inclui pesquisa, troca de ideias, estudos e leva tempo.
A mídia independente criada pelos blogues e hoje multiplicada nas redes sociais em diversas plataformas trouxe muitas novas vozes, opiniões e visões.

A web é um bom exemplo dos pontos positivos e negativos da democracia.
Entender e respeitar alguém ou uma ideia diferente é fundamental. Diálogo só existe quando as duas partes se entendem.

Temos muito lixo em conteúdo e forma por aí mas temos escolha e podemos desviar deles.
Spams e propagandas enganosas, falsas promessas.
.
O problema é a frequência cada vez maior de coisas inventadas, enganos, informação distorcida e replicada de forma viral e incontrolável.

A informação sem cabeça anda solta pela internet e pode gerar muitos danos.

Na dúvida, sempre procure a fonte original. Confirme a procedência, a clareza. Investigue quem escreveu, o autor da foto, charge ou ilustração.

Fique de olho aberto e não perca a cabeça.  E principalmente não perca de vista a boa informação.


@robertotostes

imagem: detalhe de quadro de Magrite -Pilgrim-1966


Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…