Pular para o conteúdo principal

Por Que Os Goleiros Choram?



Júlio César chorou antes dos pênaltis. Foi lá e defendeu duas bolas e ainda contou com a sorte na última batida na trave. Nós, torcedores, choramos angustiados e desesperados gritando seu nome no final, esquecendo tudo que aconteceu quatro anos atrás.

Goleiros são assim, algo fora do comum. Estão além do tempo e do espaço de uma partida de futebol. Eles tem uma percepção a mais do jogo e da bola, algo extra sensorial que corre pelo seu sangue. 

Salvadores ou traidores, não existe meio termo para eles. A angústia ocupa todo o teto dos estádios sobre suas cabeças. Poucos personagens de um jogo sustentam tanta responsabilidade sobre seus ombros.
Separados do seu time na sua área reservada eles tem muito mais probabilidade de enlouquecer e sentir medo.

E sabem que por mais que defendam, podem falhar a qualquer momento. Por isso mais do que outros jogadores eles cultivam suas manias. Abraçam as traves, beijam seus amuletos, ajoelham, falam sozinhos, olham para um ponto perdido no nada.

Goleiros tem uma obsessão com as bolas. São os únicos que podem tocá-las de todas formas, com as mãos, braços, pernas, barriga, canela. Carinhosamente, com raiva, com desespero. E nem quando as agarram com força sentem que podem se sentir seguros de que as tem sobre seu controle.

Mais do que outros sabem que são humanos, mortais, efêmeros. Goleiros morrem um pouco a cada jogo e mal sabem disso. É o personagem mais próximo da torcida, encarnado dentro do estádio, sob a grama, assistindo a tudo sem fazer nada a ponto de decidir tudo.

Goleiros estão lá sozinhos durante todo o jogo. Com todo o medo do ódio, das vaias, da derrota, de um futuro que pode acontecer e definir uma partida em questão de segundos.

De alguma forma sabem que não tem nada a perder, por isso mais do que os outros podem viver momentos épicos, mesmo que em apenas um lance ou somente uma partida, em jogadas impossíveis, defesas inexplicáveis, deles, da bola, da sorte, do inesperado. Goleiros são suicidas que continuam vivos.
Ninguém esquece da falha de um goleiro, todas as bolas antes defendidas e salvas desaparecem.

Por isso os goleiros não deixam de lembrar nenhum lance. Dormirão e sonharão por toda a sua vida continuamente revivendo todas as bolas e redes e desafios de sua carreira. Por isso eles choram, acordados ou sonhando, de alegria e dor, de êxtase e desespero, porque tem de alguma forma a essência da vida nas mãos.

Júlio César chorou porque já sabia de tudo o que ia acontecer. Goleiros sempre veem algo a mais, além de tudo, além de todos nós, por isso podem e devem chorar mais do que nós, pobres mortais.

(este texto é uma homenagem a todos os grandes goleiros do Brasil, principalmente Barbosa, que estava lá em 1950).

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…