Pular para o conteúdo principal

As Vidas e Mortes de um Escritor

Escritores nascem e morrem muitas vezes, bem mais do que os comuns mortais. Dominam a arte de devorar e ser devorados, como presas e feras na mesma pele. 

Mesmo esmagados e machucados por si próprios ou por outros, conseguem se recuperar, reconstruindo-se com os retalhos de palavras, ideias e pedaços de histórias.

Escritores matam mais do que imaginamos, mesmo que apenas na vontade. Parecem calmos e silenciosos por fora mas aniquilam sem remorso personagens, ideias, textos, contos e até romances inteiros.

Lá no fundo sentem-se como deuses, provando o poder ilimitado da imaginação e sentindo a força incontrolável dos sentidos e das emoções que respiram. 

Seus sonhos não são comuns. E facilmente tornam-se pesadelos, premonições e paranóias. E assim criam fantasmas e medos para sua própria mente. 

Enlouquecem acordados ou dormindo, fugindo do nada, convivendo com demônios e santos, tragédias e êxtases, como que perseguidos por suas próprias criações e personagens.

Escritores criam e destroem com a mesma facilidade. E pela intensidade deste processo muitas vezes saem profundamente machucados, como anjos que perderam asas. Ou purificados, como assassinos e traidores repentinamente perdoados.  Ou melancólicos, como um artista que que sabe que criou algo importante e não sabe o que fazer com o vazio que ficou.

Escritores às vezes se acham mesmo imortais, e voam tão alto que perdem seu chão.  E também facilmente se sentem o último dos mortais, tão pequenos e inúteis que preferem se isolar, como se nem existissem.

Quando ficam paralisados ou sentem que perderam seu dom de escrever e criar, morrem mesmo de verdade, ainda que vivos.

Escritores são extremos. Em qualquer momento da história ou época, vivem além do seu tempo, vendo e sentindo coisas que ninguém percebe. Escritores lêem sempre com muita sede e muita fome, devorando as palavras.

Ao mesmo tempo que escrevem conseguem ler seu destino e futuro. Como se tudo estivesse escrito na própria pele. E nem por isso entendem ou se satisfazem com o que descobrem e vivem. 

Querem sempre mais. Sempre procurando a melhor palavra, aquilo que ainda não escreveram ou invejando aquilo que não foi escrito por eles. Escritores amam e odeiam outros escritores.

Poucos entendem, mas o escritor vive num espaço manchado de suor e de sangue. Muitos rastros e eventos misturados, muitas palavras entrando e saindo de sua cabeça, sem parar.

Um escritor sempre perde mais do que ganha; sempre se desencontra mais do que se entende, sempre morre mais do que vive.

Um pouco do escritor vai-se embora em cada livro ou texto que escreve. Ele sabe disso e vive por isso, num impulso contínuo de escrever e tentar se dissolver em milhares de palavras.

@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…