Pular para o conteúdo principal

Filhos, Livros e Árvores

Todos falam de criar, criações, de semear e colher.

Mas um ser é alguém de carne e osso, que chora, sorri e nos espanta e emociona como vida em estado bruto. É a existência que sorri e chora em nosso colo, ou simplesmente dorme em silêncio.

Já o que imaginamos vem da mente, uma massa interna que brota e se expande até tomar forma de ideia e texto.  E pode nos mostrar e ensinar muitas coisas, para quem souber ler ou escutar.

Uma árvore sempre será um ser independente, mas sempre em função dos outros, sendo de todos e de ninguém. Compartilhando sempre seus frutos, folhas, galhos e raízes.

Ter um filho é uma gestação que transforma a gente por dentro. Acompanhar de perto, sofrer e sorrir, crescer, vendo aos poucos uma coisa mínima se transformar em uma pessoa.

Na vida, nunca sabemos o que acontecerá com o que plantamos, o que germinará e crescerá, o que dará frutos.

Filhos irão mudar e nós também. Poderemos em algum momento, voltar a aprender com eles, e também depender deles, passar a olhá-los de outra forma

Livros, filhos e árvores tem uma relação especial com o tempo. Podemos reler a mesma história muitos anos depois, encontrar a mesma pessoa e a mesma sombra.

Árvores, como filhos e livros, também nos falam de vida, de troca. Além de sombra e proteção, nos trazem frutos, ar puro, beleza e calma.

Podem durar toda uma vida, centenárias, exemplo de simplicidade e de equilíbrio com outros seres, insetos, animais, sempre gerando vida, sem pedir nada em troca.

Em nossas vidas somos um pouco disso tudo, filhos e filhas, pais e mães, palavras ditas e escritas, árvores que plantamos ou contemplamos.

Sabendo ou não, fazemos parte de um ciclo, que um dia se renovará mesmo sem nossa consciência.
Poderemos até perceber um pouco disso em alguns momentos da vida. Talvez por uma sensação, ou uma visão, um espanto.

De qualquer maneira será sempre muito tênue e rápido. Mas quem compreender, jamais esquecerá desses instantâneos momentos.

A vida sempre será tão intensa quanto nossos olhos e tão vibrante quanto nosso coração. Quem viver verá.

@robertotostes

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…