Pular para o conteúdo principal

ESCREVA-SE





Os conselhos aqui são direcionados para quem não sabe ou acha que não é escritor, tem dúvidas, medo, tentou pouco, desistiu ou não sabe o que fazer com isso, mas não consegue viver sem as palavras:

1 – Escreva:
Escreva o que vier a cabeça. Escreva também o que não vier à cabeça (e isto pode ser ainda mais interessante do que o que vem logo à tona). Mergulhe fundo, investigue-se.

2 – Solte as palavras:
As palavras não estão interessadas se é poesia ou prosa, ficção, realidade, diário, manifesto, canção ou qualquer coisa. Elas querem apenas um espaço para se expressar e concretizar ideias, sentimentos, cenas, relatos. Solte-as sem medo. Depois você verá o que pode fazer com elas.

3 – Comece:
Um romance, conto, roteiro ou peça começa por uma frase, uma linha, uma página, depois um meio e o fim. Apenas comece.

4 – Escreva e reescreva:
Tudo que se escreve e reescreve, pode ser maravilhoso ou péssimo, tudo depende do momento. Saiba ler e reler, e ouvir críticas e opiniões. Este processo pode ser rápido, longo, ter sucesso ou fracasso, o importante é continuar.

5 – Escreva sempre:
Você pode escrever mais. Apenas não sabe ou não quer, por falta de tempo ou método. Pense menos e produza mais. Escreva à mão, desenhe palavras, risque nomes, perguntas. Conte seus segredos, lembre coisas que já esqueceu. Ouça e observe muito, conhecidos e estranhos, jovens e velhos, tudo em volta.

6 – Escreva lendo:

Se estiver sem ideias, leia algo que goste. Um novo autor, um clássico, se deixe levar por um texto ou história e tente entender porque gosta tanto daquilo. Entenda a intenção, a estrutura, o clima, o tom. Saber ler é essencial para escrever bem.

7 – Escreva vendo e ouvindo:
Um bom texto nos faz ver e ouvir. Viajamos, escutamos, calamos, choramos. Se gostou de uma história, experimente ler alto ou contar para alguém. Um livro pode nos levar a imagens, músicas, lugares, outros livros, filmes. Escreva assim também, com a imaginação solta.

 Escrever é Acreditar:
Gostamos de algumas pessoas mas acreditamos mesmo em poucas. Assim é com as personagens. Fazê-las reais é um teste de verdade. Não importa tanto seu caráter e estilo, mas serem verdadeiras. Um bom personagem é como um bom ator, ele sustenta a cena. Assim como uma história bem contada mantém o leitor preso.

9 – Termine:
Em algum momento é preciso dar um fim em um texto. Mais do que ter senso crítico é importante saber terminar o que começou, encerrar um ciclo. Toda ideia é texto precisa começar e terminar, tem um tempo de vida. Com ou sem sucesso, arrisque-se a enfrentar novos desafios. Escrever é o principal. O resto é consequência.

ESCREVA-SE.

Alguma coisa sempre vale a pena por no papel.
O máximo que pode acontecer é querer jogar tudo fora depois.
Ou então querer escrever de novo e mais.
O limite não existe, está na cabeça, no coração e na ponta dos dedos.
Quem escreve é você.

@robertotostes

#escreva-se #escritor #escrever

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…