Pular para o conteúdo principal

O MARKETING ERRADO DO LIVRO

Quando a gente vê o resultado de uma pesquisa de 2014, afirmando que de 10 brasileiros 7 não leram nem um livro, pode e deve pensar várias coisas.

O problema é de gente que não quer ler? Ou são pessoas que simplesmente não tem acesso a um livro, por questão de custo e oportunidade?

A mesma pesquisa diz que os entrevistados afirmaram que não leem não porque não gostam de livros, mas porque não tem o hábito.

Não adianta querer culpar as pessoas (principalmente os jovens – dizendo que não querem ler, só querem saber de coisas rápidas instantâneas e games).

É muito mais uma questão cultural  e de educação.  O livro facilmente poderia conquistar muitos novos e fiéis leitores.

Porque existe ficção e não-ficção para todos os gostos. Seja qual for o estilo da pessoa e personalidade ela vai encontrar um título ou um autor(a) que goste.

Que bem cultural apresenta tantas opções de custo e variedade?
Qualquer um pode pagar um livro grátis numa biblioteca, ou pegar emprestado de alguém, ou comprar a preços bem baratos em um sebo ou em promoções de feiras e editoras.

Basta ver que a maioria dos grandes sucesso do cinema, tevê e teatro são muitas vezes baseados em livros.
Se um filme pode causar duas horas em média de impacto. Um livro, dependendo do tamanho pode proporcionar muito mais horas de entretenimento, conforme o número de páginas, e com mais informação e detalhes.

O marketing editorial  nesse país está errado. O produto Livro tem que ser considerado estratégico e essencial para a divulgação de ideias e conhecimento.
Se quisermos  mudar esse quadro, precisamos investir em educação, em bibliotecas, escolas, professores, livrarias, espaços culturais, feiras e eventos literários. Apoiar e promover novos autores que trarão novos leitores .

Boa parte do mercado editorial é feita de material didático. Mas que esforço é feito pelas grandes editoras , livrarias e distribuidoras para se publicar mais livros a preços menores e acessíveis para uma outra faixa de público?

Comprovadamente os jovens leitores preferem os meios digitais, por computador, celular ou tablet.
Está aí mais uma oportunidade para tornar o livro digital (nas suas mais variadas formas e versões)  realmente barato.

O que vemos hoje na maioria dos ebooks mais uma vez é um preço ainda alto, que continuará limitando sua venda aos 30% que ainda compram livros.

O Marketing do Livro tem que pensar de forma inovadora e oferecer um produto bom a um preço realmente tentador.

O mercado em massa global já faz isso na forma de produtos grátis ou a preços ínfimos para aplicativos, cursos, games e outros tipos de serviço.

O Marketing do Livro do nosso país tem que entrar na Era Digital o quanto antes Se 70% deste mercado está fora disso, a culpa não é das pessoas.

Mas esta certamente será a maioria que irá construir o futuro deste país. E com que tipo de informação e conhecimento?

Como dizia, Monteiro Lobato, empreendedor da indústria editorial e também autor, um país se faz de homens e livros.

Livros não são efêmeros. São únicos e insubstituíveis., autênticos, resultados de anos de trabalho e pesquisas. Não mudam de ideias, estão lá, com suas palavras e informações para sempre.

Precisamos muito de novos leitores, e de novos escritores, para podermos fazer do livro (impresso e digital)  um produto essencial para o país.


@robertotostes




* Pesquisa realizada pela Fecomercio-RJ  - 2015 em 70 cidades

Postagens mais visitadas deste blog

Novo Projeto - Jogo com Aventura e Ecologia

Olá amigos e amigas,

Após 18 meses de desenvolvimento, Sobrevivência na Amazônia - está na fase final de desenvolvimento. É um projeto independente de boardgame que procura combinar aventura e ecologia. Ele será lançado em financiamento coletivo - em breve. Na página dele serão dadas notícias e informações do andamento do projeto. O vídeo de lançamento dá uma ideia do conceito geral. Conto com o apoio de todos para divulgar e compartilhar!



#boardgame #amazonia #ecologia

Escritores na Era Digital - Quem somos e para onde vamos?

Caros amigos(as) Estou realizando uma pesquisa sobre o "Escritor(a) na Era Digital". Elaborei algumas perguntas e um questionário na web (via Google Docs). A pesquisa tem como objetivo levantar informações sobre: ser escritor(a), rotinas de escrita e leitura, meios de publicação, divulgação e presença na web. Espero com as respostas poder fazer um quadro de como os escritores/escritores estão se posicionando/adaptando neste momento de tantas transformações. Conto com seu apoio e participação

Segue o link:
http://goo.gl/forms/0JTYDWOAzPTl6Cjj2

Qualquer dúvida falem comigo:


att

Roberto Tostes

Quando pessoas viram marcas e marcas viram pessoas

Vivemos em uma época em que cada vez mais marcas querem parecer humanas e pessoas querem se tornar tão fortes quanto marcas. Isso não deixa de trazer uma certa contradição. Empresas e corporações nunca terão a imagem espontânea de pessoas de verdade. E pessoas, mesmo famosas e conhecidas, podem cair em armadilhas quando se preocupam demais com marketing, público-alvo e poder de vendas. Quando foram criadas, muitas marcas nasceram da iniciativa individual de empreendedores que construíram negócios como Ford, Hewlett-Packard (HP), Ferrari, Johnson, Granado (Brasil) e outras pessoas. Depois do auge da era industrial, as fábricas passaram a entrar em um processo mecanizado, produção em série, grandes unidades e produção em massa. As marcas modernas substituíram as antigas relações diretas entre o artesão e o consumidor, da loja ou do armazém da esquina. Para conquistar e fidelizar essa massa de consumidores vieram os recursos de marketing, design e publicidade. Os anos 50 mostram bem isso…